• Cadastre-se
  • Equipe
  • Contato Brasil, 23 de janeiro de 2021 04:38:18
Em Tempo Real
  • 13/01/2021 08h05

    VACINAS: Anvisa anuncia que no domingo se pronuncia sobre autorizações emergenciais pedidos pelo Instituto Butantan e Fiocruz

    Nesta terça-feira, AGU se pronunciou contra liberação imediata da coronaVac pedida pela Rede Sustentabilidade
    Foto: Arquivo da Política Real

    Anvisa tomará decisão no domingo

    ( Publicada originalmente às 19h 43 do dia 12/01/2021) 

    (Brasília-DF,13/01/2021) No início da noite desta terça-feira, 12, a Anvisa(Agência Nacional de Vigilância Sanitária) divulgou um breve nota afirmando que vai se posicionar sobre os pedidos de autorização emergencial da CoronaVac e da Oxford/ AstraZeneca apresentatadas, respectivamente, pelo Instituto Butantan e pela Fiocruz. Veja a nota:

    “AAnvisa informa que está prevista para o próximo domingo (17/1) a reunião da Diretoria Colegiada que decidirá sobre pedidos de autorização para uso emergencial, temporário e experimental das vacinas do Instituto Butantan e da Fiocruz. A data representa o penúltimo dia do prazo estabelecido pela própria Agência como meta para análise dos pedidos.

    Para tanto, faz-se necessária a entrega, em tempo hábil para análise, dos documentos faltantes e complementares.

    Informações adicionais sobre a reunião serão divulgadas pela área de Comunicação da Anvisa.”, finalisa a nota.

    STF

    Nesta terça-feira, 12, foi dado a conhecer a manifestação da Advogacia Geral da União em acão proposta pelo partido Rede Sustentabilicdade pedindo entre outras coisas que a Anvisa se pronuncia logo sobre as vacinas em tramitação com pedidos de autorização, como o da coronaVac que libere seu uso em 72 horas.

    “que seja determinado que a Anvisa apresente contestação cabal e fundamentada ao deferimento do registro da vacina CoronaVac em 72h, findos os quais, in albis, seja concedido tacitamente o registro emergencial;”diz, parte do pedido da Rede.

    A AGU na ação da Rede que é conduzida pelo ministro Ricardo Lewandowski defende que a ação não siga adiante.

    “Diante do que se vem de expor, ficam evidenciadas as impropriedades das alegações vertidas na petição recentemente apresentada pelo arguente. Além de desprovidas de respaldo no plano dos fatos e do direito, as pretensões acrescentadas colocam em risco o regular desenvolvimento das funções sanitárias da ANVISA, pelo que devem ser prontamente indeferidas.”, diz o final da petição com 17páginas assinada pelo AGU, José Levi  Mello do Amaral Junior.  

     

    ( da redação com informações de assessoria. Edição: Genésio Araújo Jr)