• Cadastre-se
  • Equipe
  • Contato Brasil, 25 de abril de 2024 05:18:40
Em Tempo Real
  • 02/04/2024 06h58

    Num acordo BNDES e Meio Ambiente, sob olhar de Lula, Novo Fundo Clima cresce, tem R$ 10,4 bilhões com novas condições para projetos verdes

    Veja mais
    Foto: Ricardo Stuckert

    Aloízio Mercadante assinaram acordo sobre olhar de outros ministros e de Lula

    ( Publicada originalmente às 20 h 45 do dia 01/04/2024) 

    (Brasília-DF, 02/04/2024). Nesta segunda-feira, 01, no no Palácio do Planalto, em Brasília (DF), com a presença do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e a União, representada pelo Ministério do Meio Ambiente e Mudança do Clima (MMA), assinaram o novo contrato que rege a gestão de recursos do Fundo Clima pelo BNDES.

    Está prevista a transferência de até R$ 10,4 bilhões, a serem utilizados pelo Banco no financiamento reembolsável de projetos que visem à mitigação e adaptação à mudança do clima e aos seus efeitos, e o pagamento do valor de R$ 6,2 milhões a título de remuneração ao BNDES, na qualidade de agente financeiro.

    O Fundo utilizará parte dos recursos da captação feita pelo Ministério da Fazenda, em novembro de 2023, a partir da emissão de US$ 2 bilhões em títulos soberanos sustentáveis no mercado internacional. Além disso, cerca de R$ 400 milhões provenientes de participação especial oriunda da exploração de petróleo e gás, bem como do retorno de operações financeiras do próprio fundo.

    Também estiveram presentes no ato, os ministros Fernando Haddad (Fazenda) e Rui Costa (Casa Civil) O contrato firmado eleva consideravelmente a capacidade de financiamento do Fundo Clima, cujo orçamento era da ordem de R$ 2,9 bilhões, até o ano passado. Com o valor recorde de R$ 10,4 bilhões, a iniciativa passa a ter um funding estável e se torna o principal instrumento do Governo Federal, e um dos maiores do mundo, no combate às mudanças climáticas e para investimentos de adaptação.

    Falas

    Para Aloízio Mercadante, presidente do BNDES, a assinatura mostra como o governo Lula trata a questão da emergência climática como um ponto central. “O ministro Fernando Haddad foi fundamental para a emissão desses 2 bilhões de dólares de títulos sustentáveis, que é o que financia esse fundo. Vamos ter agora R$ 10 bilhões contribuindo para o Brasil continuar liderando o enfrentamento da crise climática, a produção energética, a transição para uma economia verde sustentável. São investimentos que vão gerar emprego, salário e, principalmente, vão ajudar a combater a crise climática”, afirmou.

    “O Fundo Clima do Ministério do Meio Ambiente até agora funcionou com recursos, em média, entre R$ 500 a 400 milhões por ano. Mas, após ficar quatro anos sem funcionamento, conseguimos, junto com o BNDES e o Ministério da Fazenda, fazer com que ele fosse reforçado”, disse a ministra Marina Silva.

    As modalidades passíveis de financiamento no novo Fundo Clima estão divididas em 6 linhas que compreendem: desenvolvimento urbano resiliente e sustentável; indústria verde; logística de transporte, transporte coletivo e mobilidades verdes; transição energética; florestas nativas e recursos híbridos; e serviços e inovações verdes.

    (da redação com informações de assessoria. Edição: Política Real)


Vídeos
publicidade