• Cadastre-se
  • Equipe
  • Contato Brasil, 20 de setembro de 2020 04:17:39
Em Tempo Real
  • 16/09/2020 08h03

    NORDESTE EDUCAÇÃO: Apesar de todos estados nordestinos conseguirem bater as metas do Ideb para o ensino fundamental em 2.019, cenário não se repete no ensino médio

    Nenhum estado do Nordeste conseguiu bater as metas para a educação do antigo 2º grau; Pernambuco foi o estado da região que mais se aproximou da meta
    Foto: Naiara Demarco/MEC

    Milton Ribeiro fala sobe o Ideb

    ( Publicada orginalmente às 16h 58 do dia 15/09/2020) 

    (Brasília-DF, 16/09/2.020) Apesar de todos estados nordestinos conseguirem bater as metas estabelecidas pelo Ministério da Educação no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) para o ensino fundamental em 2.019, o cenário não se repetiu quando a avaliação do governo federal diagnostica os números do ensino médio.

    Elaborado pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), o índice apresenta os resultados da análise que é feito pelo Sistema de Avaliação da Educação Básica (Saeb). Nela, nenhum estado do Nordeste conseguiu bater as metas para a educação do antigo 2º grau. Pernambuco foi o estado da região que mais se aproximou desta meta.

    Em todo o país, apenas o estado de Goiás conseguiu bater a meta estabelecida pelo Ideb. Mais nenhum estado, nem mesmo o Distrito Federal (DF), conseguiu êxito em alcançar as melhorias do ensino entre os estudantes das três séries do nível médio, antigo segundo grau e que, geralmente, reúne alunos entre 15 e 17 anos. Abaixo seguem as duas tabelas do Ideb 2.019, aplicadas tanto nas redes de ensino fundamental e médio.

     

    Ideb (ensino fundamental)

    UF

    2005

    2007

    2009

    2011

    2013

    2015

    2017

    2019

    MA

    2,9

    3,7

    3,9

    4,1

    4,1

    4,6

    4,8

    5,0 (4,8)

    PI

    2,8

    3,5

    4,0

    4,4

    4,5

    4,9

    5,3

    5,7 (4,8)

    CE

    3,2

    3,8

    4,4

    4,9

    5,2

    5,9

    6,2

    6,4 (5,1)

    RN

    2,7

    3,4

    3,9

    4,1

    4,4

    4,8

    5,0

    5,2 (4,7)

    PB

    3,0

    3,4

    3,9

    4,3

    4,5

    4,9

    5,1

    5,4 (5,0)

    PE

    3,2

    3,6

    4,1

    4,3

    4,7

    5,0

    5,2

    5,5 (5,2)

    AL

    2,5

    3,3

    3,7

    3,8

    4,1

    4,7

    5,2 

    5,6 (4,5)

    SE

    3,0

    3,4

    3,8

    4,1

    4,4

    4,6

    4,9

    5,1 (5,0)

    BA

    2,7

    3,4

    3,8

    4,2

    4,3

    4,7

    5,1

    5,3 (4,7)

     

    Ideb (ensino médio)

    UF

    2005

    2007

    2009

    2011

    2013

    2015

    2017

    2019

    MA

    2,7

    3,0

    3,2

    3,1

    3,0

    3,3

    3,5

    3,8 (4,3)

    PI

    2,9

    2,9

    3,0

    3,2

    3,3

    3,4

    3,6

    4,0 (4,5)

    CE

    3,3

    3,4

    3,6

    3,7

    3,6

    3,7

    4,1

    4,4 (4,9)

    RN

    2,9

    2,9

    3,1

    3,1

    3,1

    3,2

    3,2

    3,5 (4,5)

    PB

    3,0

    3,2

    3,4

    3,3

    3,3

    3,4

    3,5

    4,0 (4,6)

    PE

    3,0

    3,0

    3,3

    3,4

    3,8

    4,0

    4,1

    4,5 (4,6)

    AL

    3,0

    2,9

    3,1

    2,9

    3,0

    3,1

    3,5

    3,9 (4,6)

    SE

    3,3

    2,9

    3,2

    3,2

    3,2

    3,2

    3,7

    3,7 (4,9)

    BA

    2,9

    3,0

    3,3

    3,2

    3,0

    3,1

    3,0

    3,5 (4,5)

     

    (por Humberto Azevedo, especial para a Agência Política Real, com edição de Genésio Jr.)