• Cadastre-se
  • Equipe
  • Contato Brasil, 30 de novembro de 2020 10:34:27
Nordestinas
  • 13/07/2020 07h47

    Após revelação de que Milton Ribeiro defende “educação com dor”, ele se manifesta; se dirigindo a senador petista afirmando que ele seria melhor, justo, honesto e respeitoso se tivesse recebido umas “palmadas”

    Veja postagens
    Foto: Montagem Política Real

    Depois de cobrança de Costa , o ministro indicado Milton Ribeiro rebateu

    ( Publicada originalmente às 13h 15 do dia 12/07/2020) 

    (Brasília-DF, 12/07/2020) O ministro indicado da Educação, mas ainda não empossado, Professor Milton Ribeiro, depois que foi revelado que ele defende uma “educação com dor”, a famosa palmada, ele se manifestou, não em nota, mas no Twitter.  Ele se reportou a crítica feita pelo senador Humberto Costa(PT-PE), ex-ministro da Saúde no Governo Lula. Ele disse que Costa seria melhor se tivesse levado umas palmadas quando era criança.

    “Garanto que se você tivesse levado umas boas palmadas quando criança, com certeza hoje, você seria uma pessoa melhor, mais justa, honesta e respeitosa.”, disse e publica em seguida o tuite original de Costa com o vídeo destacado.

    A cobrança de Humberto Costa foi mais ampla, incluindo as universidades, algo que Milton Ribeiro não tratou.

    “O novo ministro da Educação, o pastor Milton Ribeiro, até que tentou apagar o vídeo, mas a internet não deixou. Além de defender a violência como forma de punir crianças, o novo ministro também ataca as universidades e diz que as instituições ensinam 'sexo sem limites'.”, disse no Twitter

    Originalmente, o vídeo em que Ribeiro faz a defesa da “Palmada”, intitulado "A Vara da Disciplina", foi publicado em 2016 pela Igreja Presbiteriana Jardim de Oração, no Youtube. Após sua disseminação nas redes sociais, ele ficou indisponível na plataforma.

    “A correção é necessária pela cura. Não vai ser obtida por meios justos e métodos suaves. Talvez aí uma porcentagem muito pequena de criança precoce, superdotada, é que vai entender o seu argumento. Deve haver rigor, desculpe. Severidade. E vou dar um passo a mais, talvez algumas mães até fiquem com raiva de mim, (as crianças) devem sentir dor “diz Ribeiro, em vídeo que circula nas redes sociais.

    Não pode

    O Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) poibiu o uso de castigo físico em crianças, após a sanção da Lei da Palmada, em 2014, que alterou a lei que dispõe sobre o estatuto.

    Com isso foi estabelecido que crianças sejam educadas e cuidadas sem o uso de castigo físico ou de "tratamento cruel ou degradante, como formas de correção, disciplina, educação".

    Se sabe que mais de 50 países já criaram leis que proíbem as punições corporais às crianças. Em julho de 2019, a França se tornou o 56º a adotar lei da palmada, segundo uma lista realizada por uma ONG britânica. A Suécia foi o primeiro país europeu a adotar a lei, em 1979, seguido por Finlândia (1983) e Noruega (1987).

    (da redação com informações de assessorias. Edição: Genésio Araújo Jr)