• Cadastre-se
  • Equipe
  • Contato Brasil, 28 de outubro de 2021 04:47:46
Nordestinas
  • 19/08/2015 06h31

    Assis Carvalho se posiciona contra proposta que reduz recursos dos fundos constitucionais do Nordeste

    Deputado piauiense defende os fundos constitucionais de financiamento em seminário promovido Associação dos Funcionários do Banco do Nordeste
    Antonio Augusto / Câmara dos Deputados

    Átila Lira, deputado federal, na mesa da reunião da Associação do BNB

    ( Publicada originalmente às 19h 01 do dia 18/08/2015) 

     

    (Brasília-DF, 19/08/2015) Em discurso feito nesta terça-feira, 18, durante o Seminário "Nordeste: sem ele não há solução para o Brasil", o deputado federal Assis Carvalho (PT-PI) se posicionou contrário à aprovação da PEC Proposta de Emenda Constitucional (PEC 87/2015), que reduz em 30% os recursos de fundos como o FNE (Fundo Constitucional do Nordeste), FCO (Centro Oeste) e FNO (Norte).

    O tema foi amplamente discutido no seminário, promovido pela Associação dos Funcionários do Banco do Nordeste (AFBNB), que discorreu ainda sobre as desigualdades regionais, projetos estruturantes para Nordeste e a questão do fortalecimento das instituições públicas da região, como o Banco do Nordeste.

    "Não é justo tirar de quem tem pouco", disse o Assis Carvalho ao defender o Fundo Constitucional do Nordeste (FNE) e o próprio Banco do Nordeste.

    Mais investimentos

    O parlamentar piauiense defendeu “mais investimentos na região em áreas que considera essenciais, como educação, energia e a integração de bacias para amenizar os efeitos da seca. Nossa luta deve ser permanente pela população carente do nosso Nordeste".

    O seminário reuniu parlamentares, além do diretor de Prospecção, Normas e Análise dos Fundos do Ministério da Integração Nacional, José Wanderley Barreto, a presidenta da AFBNB, Rita Josina Feitosa, e o coordenador da Bancada Parlamentar do Nordeste, deputado federal Júlio Cesar (PSD-PI), que estiveram á frente do painel “Um projeto estratégico para o Nordeste – o olhar técnico e político”.

    (Gil Maranhão, para Agência Política Real. Edição: Genésio Jr.)