• Cadastre-se
  • Equipe
  • Contato Brasil, 09 de dezembro de 2021 01:58:46
publicidade


Genésio Jr.
  • 21/11/2021 13h20

    Sucessos e fantasmas

    Se imagina que Lula também fará essa caminhada nos Estados Unidos em breve

    Lula precisa fazer enfrentamentos, mas parece empurrar para o PT!

    (Brasília-DF) O grande assunto que inaugura a semana política no Brasil é o resultado das primeiras prévias para escolher de um candidato à Presidência da República, de verdade no Brasil. A escolha do PSDB, apesar dos solavancos, é um marco. Não temos o resultado até aqui, então vamos para o algo que não pode ser colocado para debaixo do tapete: a exitosa viagem do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva(PT) à Europa.

    Um resuminho: ele foi recebido pelo futuro chanceler da Alemanha, Olaf Scholz, em Berlin; aclamado no Parlamento Europeu, em Bruxelas; recebido com honras de chefe de Estado pelo presidente francês, Emannuel Macron, no Palácio do Eliseu, em Paris, e  ser recebido no Palácio de Moncloa, em Madrid, pelo primeiro ministro Pedro Sanchez. São muitos detalhes e minúcias que podem ser ditas, mas o que importa é isso aí!

    Os bolsonaristas preferiram dizer que ele pode andar por lá, mas não pode andar pelo Brasil. No Brasil em que falta pão e ninguém tem razão, poderoso ou político algum de relevância pode andar impunemente por aí, a não ser que esteja armado seu circo particular! Se diz na democracia brasileira que aquele que não estiver preparado para dedos inadvertidos e cusparadas de bêbados não está preparado para coroa de louros que marca o poder, desde os imperadores romanos.

    Se imagina que Lula também fará essa caminhada nos Estados Unidos em breve, antes de afirmar, em “fevereiro ou março”, como ele disse na Espanha já ao final do périplo, se vai aceitar ir para mais uma disputa presidencial.  Lula teve suas condenações anuladas e não foi inocentado no mérito, mas o mundo, neste estado de agonia e incapacidade de conversar com o nosso atual chefe de Governo e Estado, Jair Bolsonaro, prefere conversar com Lula, o ex-presidente de origem operária que tirou 30 milhões de brasileiros da pobreza.

    Lula, antes de seguir para os Estados Unidos, tem que enfrentar a mediocridade da esquerda de lidar com o apoio às ditaduras ou democracias fake, “de facto”, que existem na Nicarágua, Venezuela e Cuba. Não dá para ficar com a máxima da chamada “auto determinação dos povos”. Isso é um biombo diplomático.  Lula disse no congresso do partido Podemos, na Espanha, “Construir o Futuro” que as esquerdas tem a missão de entender onde errou para permitir a chegada ao poder de Jair Bolsonaro.

    Enfrentar o fantasma de compactuar com a corrupção é um desafio e tanto, pois se Lula pode usar o argumento de que está limpo face ação de juízo injusto e parcial, ao PT é mais difícil, impossível, é verdade - fugir da pecha de que compactuou e foi sócio de corrupção na Petrobras. Sabe-se que Lula tem dificuldades quase instransponíveis na lida com Cuba, mas ele dá uma oportunidade para o PT enfrentar por ele essas questões internacionais das esquerdas.

    Lula não tem como ir aos Estados Unidos sem enfrentar essas questões antes, pois os democratas, hoje no poder por lá, mesmo os mais à esquerda tem dificuldades com o trio Cuba-Venezuela-Nicarágua.   A direita se junta a extrema-direita, aqui no Brasil, frente a essa dificuldade petista que não agrada outros setores da esquerda e centro-esquerda.

    Se Lula diz que resolve nosso baixo crescimento e nossa pobreza atual – tem a seu favor outros momentos nacionais - ele tem, sim, que mostrar que deixou os anacronismos de lado. A defesa da democracia decantada para expor Bolsonaro só serve aqui para nós e além fronteiras, além-mar!?

    Lula teve uma exitosa viagem a Europa, mas para ter o mesmo sucesso nos Estados Unidos vai ter que enfrentar outros fantasmas!

    Por Genésio Araújo Jr, jornalista

    Email: [email protected]