• Cadastre-se
  • Equipe
  • Contato Brasil, 16 de setembro de 2021 22:44:30
Genésio Jr.
  • 12/09/2021 12h30

    Minorias que sabem ser maioria!

    Rancores não são exclusividade da esquerda

    Rancor está dentro de nós( Foto: a mente é maravilhosa)

    (Brasília-DF) Esses primeiros dias de setembro de 2021 serão lembrados e estudados quando não mais estivermos aqui para contar histórias e estórias. Tanto para o bem, como para o mal, mas serão contados.

    Hoje, para usar a expressão da semana , temos o “calor do momento”. Tivemos o 7 de Setembro( Dia do Golpe), o 9 de Setembro(Dia do Recuo) e este 12 de Setembro(que dia é esse?).

    Em novembro de 1943, houve a Conferência de Teerã, que reuniu o presidente dos Estados Unidos, Franklin Delano Roosevelt, o premier britânico Winston S. Churchill e presidente da União Soviética, Josef Stalin. Ao final do evento, Churchill convidou todo mundo que era importante para seu aniversário, no 30 de novembro, na legação britânica. Lá pelas tantas, Churchill, um imperialista nato e anticomunista feroz, levantou um  brinde “às massas proletárias”, enquanto Stalin, um anti-liberal ainda mais feroz e eminentemente ditador, fez um brinde ao “Partido Conservador”.

    Este artigo é feito antes das manifestações do 12 de Setembro. Aqueles dias de 1.943 antecediam a Operação Overlord em que as tropas aliadas invadiram a França ocupada ,que levou a queda do III Reich poucos meses depois. Já era tido como certa a vitória dos aliados, se estimava só quando isso ocorreria.

    Aqui no Brasil, guardadas as peculiaridades e a dimensão dos homem e mulheres, é difícil imaginar que adversários conservadores e os tido progressistas pudessem nesta primavera, faltando 13 meses para as eleições de 2022, que eles levantem taças, um saudando o Partido dos Trabalhadores e o outro o liberalismo revisitado!

    Neste domingo(o artigo é feito no domingo 12 de setembro), o evento Fora Bolsonaro organizado pelo Movimento Brasil Livre(MBL), que foi importante com o Vem para Rua para o Impeachment de Dilma Rousseff e esteve com Bolsonaro no apoio a Lava Jato e várias pautas ultraconservadoras, prega que se deixe as pautas de cada um de lado em nome do Fora Bolsonaro.  Alguns membros da esquerda estarão nos eventos como membros do PC do B, Psol, PDT, PSB, Solidariedade, REDE e mais ao centro como o Cidadania. O PT e o Psol, institucionalmente, disseram não. Foram criticados.

    PT e Psol, na prática, entendem que estão em vantagem na resistência, que tem um candidato forte contra Bolsonaro e não perdoam o passado.  Se fala que eles, que vem da mesma árvore, são excludentes e essencialmente protagonistas.  O MBL alega que o espírito deve ser o da Diretas Já, quando todos se uniram pelo retorno da democracia. Na época se via conservadores, centristas e esquerdista juntos em nome do retorno da democracia.

    Rancores não são exclusividade da esquerda. Uma vez, peguei uma carona num jatinho onde só tinham cabeças coroadas da Nova República. Fiquei conversando com Pedro Simon sobre Sarney, Fernando Henrique e Itamar Franco. Ele me dizia que Itamar guardava suas mágoas na parte mais funda do congelador para que elas perdurassem,  não “estraguem”!  Itamar Franco foi um provinciano que se transformou num grande presidente da República. Temos um presidente, hoje, que sempre foi final de fila mas que um dia pensei que pudesse ser grande. Vemos cada vez mais que isso é mais que improvável - sopesar de nunca duvidarmos da política.

    Uma coisa é certa, enquanto não se sabe dos rumos daqueles se se dizem Fora Bolsonaro vimos neste final de semana no Rio Grande do Sul,no evento Expointer do Agronegócio. gente que trabalha para Eduardo Leite(PSDB), que deseja ser uma alternativa a Bolsonaro, e figuras então exiladas como Magno Malta simpáticas e juntas de Bolsonaro.

    As minorias sabem se fazer maioria. Esse é o grande problemas contemporâneo, seja para o bem, seja para o mal!

    Por Genésio Araújo Jr, jornalista

    Email: [email protected]