• Cadastre-se
  • Equipe
  • Contato Brasil, 23 de outubro de 2020 07:40:21
Em Tempo Real
  • 16/10/2020 07h40

    ELEIÇÕES: Após Camilo Santana acusar Capitão Wagner de ter participado do motim policial em fevereiro, Danilo Forte sai em defesa do candidato do PROS

    Tucano cearense afirmou que a gestão do governo estadual do petista é “hipócrita”, “mentirosa” e que não assume a “responsabilidade” que tem e ataca de maneira vergonhosa candidatura do PROS, apoiada por ele, para a prefeitura de Fortaleza
    Foto: imagem de Streaming

    Danilo Forte gravou vídeo no Salão Verde da Câmara dos Deputados

    ( Publicada originalmente às 16h00 do dia 15/10/2020) 

    ( reeditado) 

    (Brasília-DF, 16/10/2.020) Após o governador do Ceará, Camilo Santana (PT), acusar nesSa quarta-feira, 14, o deputado federal Capitão Wagner (PROS-CE) de ter participado do motim policial que aconteceu em fevereiro deste ano no estado, o também deputado federal Danilo Forte (PSDB-CE) saiu em defesa do candidato do PROS, a prefeitura de Fortaleza, capital cearense. Oficialmente o PSDB está apoiando o candidato da família Ferreira Gomes, o deputado estadual José Sarto(PDT-CE), presidente da Assembleia Legislativa do Ceará.

    De acordo com o tucano cearense a gestão do governo estadual do petista é “hipócrita”, “mentirosa” e nem assume a “responsabilidade” que tem. Para Forte, as críticas de Santana a Capitão Wagner foi um ataque vergonhoso a candidatura do PROS.

    “Ele [Santana] se omite da responsabilidade de ser governador e do papel de líder e tenta transferir para o capitão Wagner a responsabilidade daquilo que é responsabilidade dele. No final de 2.017, eu denunciei aqui do plenário da Câmara a necessidade de uma intervenção das forças [de segurança] nacionais na segurança pública do estado do Ceará. E não foi feito e hoje o crime tomou conta do estado”, lamentou o parlamentar do PSDB.

    “O governador vive numa bolha rodeado por seguranças e quem paga a conta é o estudante que tem que ir para o colégio, é o trabalhador que chega fora de hora [em] casa, é a mãe da periferia que não tem segurança e é onde o Wagner está. O Wagner é um líder, um líder da categoria dele, da política no estado do Ceará e nós estamos cansado do governador dizer uma coisa e fazer outra”, complementou o tucano.

    Diz uma coisa e faz outra

    Danilo Forte criticou, ainda, a atuação do gestor cearense Camilo Santana, em quarentena e em isolamento social por conta de ter testado positivo para o novo coronavírus (covid-19), no enfrentamento a pandemia que já matou 9.178 cearenses. Apesar das críticas, o tucano disse que preza pelo reestabelecimento do governador.

    “Ele [Santana] defende o isolamento social e está todo mundo do governo e da prefeitura com covid, fazendo festas e aglomerações entre eles. É essa mentira que ninguém aguenta mais. É essa mentira que há dez anos, em todas as eleições, [dizia] que vinha uma refinaria da Petrobras para o estado do Ceará. É essa mentira que o povo não tolera mais. Por isso o capitão está disparado nas pesquisas e é por isso que ele vai ganhar no primeiro turno”, comentou.

    “Chega! E eu quero, governador Camilo, sinceramente, do fundo do meu coração, que o senhor fique bom e que o senhor reestabeleça e não deixe a covid, nem a política, tomar conta do seu coração e do seu juízo. E que o senhor assista a grande mudança que está acontecendo em todo o estado do Ceará. É a grande hora da renovação. Chega de hipocrisia, chega de autoritarismo e vamos, sim, ganhar a eleição junto com o capitão”, emendou.

    Pesquisa Ibope divulgada nessa quarta-feira, 14, apontou que Capitão Wagner lidera as intenções de voto dos eleitores de Fortaleza com 28%, empatado tecnicamente com a candidata do PT e ex-prefeita da capital, Luizianne Lins, que aparece com 23%. O candidato do PDT, Sarto, apoiado pelo atual prefeito Roberto Cláudio, tem 16%. A margem de erro da pesquisa é de até 4%.

    Mais críticas

    O tucano cearense destacou também que os episódios ocorridos em fevereiro, quando o ex-governador e senador Cid Gomes (PDT) foi alvejado por tiros disparados pela tropas da Polícia Militar (PM) do Ceará que impediam que os colegas de corporação saíssem às ruas de Sobral, no interior do estado, para patrulhar, é responsabilidade do governo do estado e não dos policiais que estavam apenas lutando por melhorias salariais.

    “Olha o absurdo em que chegou o governador do Ceará, Camilo Santana. O governador Camilo Santana abdicou do papel dele. O grande comandante da Polícia Militar do estado é o governador. Se a Polícia do estado não obedece ao governador, é que o governador não tem força de comando, nem de liderança. O estado do Ceará virou um narco-estado. Desde a campanha de 2.018, nós já dizíamos que as facções [criminosas] tinham tomado conta do estado, queimando agora o comitê de campanha de Caucaia do [candidato] Vítor Valim [PROS]”, disparou.

    “Não bastasse isso, era necessário dar exemplo. O governador quer dá exemplo, quer se impor para a Polícia, manda afastar a diretoria da Ceará Porto. Todo mundo no Ceará sabe que é por ali que transita toda a droga que sai do estado do Ceará e que a diretoria é conivente, ou cúmplice disso. Se o governador quer dá exemplo, manda prender quem tirou os R$ 17 milhões dos respiradores e que todo mundo sabe quem é [que fez isso], na prefeitura de Fortaleza. O governador quer dá exemplo, basta ele investigar a denúncia que o próprio Bruno Gonçalves fez da distribuição de dinheiro para comprar votos na eleição de Fortaleza”, acusou.

    (por Humberto Azevedo, especial para a Agência Política Real, com edição de Genésio Jr.)