• Cadastre-se
  • Equipe
  • Contato Brasil, 20 de setembro de 2020 11:34:42
Nordestinas
  • 14/09/2020 09h00

    DESTAQUES DO DIA: Semana começa com mercados em alta e no Brasil atenção para o Pacto Federativo

    Veja os números
    Foto: Arquivo da Política Real

    Mercados em alta no mundo

    (Brasília-DF, 14/09/2020) A Política Real mais uma vez teve aceso as informações da XP Investimentos e XP Política. A informações desta segunda-feira, 14, quando se inicia a segunda semana de setembro com indicativos de alta no chamado mercado internacional.

    Tudo por conta da retomada dos testes da vacina contra o covid da AstraZeneca.  No Brasil, os mercados apontam para atenção para questões macro, siderurgia, energia e bebidas.

    Ainda no Brasil, mercado atento ao relatório do senador Márcio Bittar(MDB-AC) sobre Pacto Federativo. É dai que pode sair algum fôlego para Paulo Guedes.

    Veja mais:

    Mercados em alta às 6:50 de Brasília: S&P500 +0.95%, Dow Jones +0.73% e Nasdaq  +1.16% e Europa -0.26% (FTSE100).

    O ânimo vem depois da notícia de que os testes de Fase III da vacina contra o coronavírus da AstraZeneca foram retomados no Reino Unido. A notícia aumenta a esperança de uma vacina que possa conter a pandemia.

    Ontem, a Nvidia comprou a fabricante de chips Arm Holdings da SoftBank por $ 40 bilhões. A Nvidia financiará o negócio por meio de uma combinação de dinheiro e ações ordinárias.

    Já ByteDance rejeitou a oferta da Microsoft de comprar as operações da TikTok nos EUA.  A ByteDance escolheu a Oracle para ser a parceira de tecnologia da TikTok nos Estados Unidos.

     

    AÉREAS/AVIAÇÃO

     

    Azul anuncia que recebeu proposta de financiamento do BNDES a partir de R$ 2 bilhões

    A companhia aérea Azul informou na noite deste domingo que recebeu proposta de financiamento do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e mais um sindicato de bancos.

    Michael Klein entra na ponte-aérea e terá rivais

    A Icon Aviation, empresa de aviação executiva do empresário Michael Klein especializada em voos fretados, vai competir na ponte aérea Rio-São Paulo, com a oferta de assentos em voos que serão realizados regularmente de segunda a sexta-feira, a partir do dia 18. A venda das passagens começou a ser feita na sexta-feira passada, no site da Icon e da Fly Adam, plataforma de venda on-line para voos fretados. Cada voo comporta até 8 passageiros. As passagens serão vendidas a R$ 2 mil por assento.

    Falta concorrência em Cumbica, aponta Cade

    A Superintendência-Geral do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) recomendou que a condenação das empresas Air BP Brasil, BR Distribuidora e Raízen Combustíveis, além da Concessionária do Aeroporto Internacional de Guarulhos (GRU Airport), por prática anticompetitiva no mercado de distribuição de querosene de aviação.

     

    BEBIDAS

     

    Executivos ‘prata da casa’ têm mais chance de comandar AB InBev

    A definição do sucessor de Carlos Brito, presidente da Anheuser-Busch InBev (AB InBev), nunca esteve tão perto de sair do papel e coloca a maior fabricante global de cerveja diante de dois cenários. No primeiro, a companhia elege um executivo “prata da casa”. No segundo, vai buscar alguém de fora - algo inédito na cultura da empresa.

     

    EDUCAÇÃO

     

    Ser compra Laureate em negócio de R$ 4 bi

    A Ser Educacional anunciou, ontem à noite, a aquisição da Laureate, empresa americana que no Brasil é dona de instituições de ensino como Anhembi Morumbi e FMU, numa transação avaliada em R$ 4 bilhões. Com isso, a Ser mais do que dobra de tamanho, passando a ter 455 mil alunos e receita combinada de R$ 3,4 bilhões.

     

    ENERGIA

     

    Energia eólica tem menor custo entre as renováveis

    A eólica é a mais barata entre as fontes renováveis de geração de energia, grupo que inclui ainda as pequenas centrais hidrelétricas (PCHs), a solar e a biomassa. A conclusão é de um estudo da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE), feito a pedido da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), e antecipado ao Valor.

    Privatização da Eletrobras para novamente

    As negociações em torno do projeto de privatização da Eletrobras esbarraram, novamente, na falta de vontade política da cúpula do Congresso Nacional. O tema havia ganho novo fôlego nas últimas semanas, a partir de articulações envolvendo parlamentares e o Ministério de Minas e Energia, mas não prosperou devido à resistência dos presidentes do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), e Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ). Com isso, a proposta deve ficar apenas para 2021.

     

    FARMACÊUTICO

     

    União Química fecha acordo com russos para vacina

     

    O Fundo Soberano da Federação da Rússia, que coordena o desenvolvimento da vacina russa contra a covid-19, fechou acordo com o laboratório União Química para produção de sua vacina no Brasil. A produção da farmacêutica brasileira será destinada também a outros países da América Latina. O Valor apurou que o acordo deve ser anunciado nesta semana.

     

    FINANCEIRO

     

    BB reforça foco em distribuição após parceria com UBS

    Banco do Brasil e UBS acertam os últimos detalhes da parceria que firmaram em banco de investimento, com estreia aguardada para outubro. Uma parte da área de mercado de capitais do BB vai migrar para a nova estrutura. Outra não mudará de casa, mas terá o papel estratégico de fazer a ponte entre as operações que forem originadas pela joint venture e o segmento de varejo.

     

    INDÚSTRIA ALIMENTAR

     

    Migração do food service ao varejo pode elevar os custos

    Empresas de algumas cadeias do agronegócio que foram forçadas a redirecionar para o varejo parte das vendas antes destinadas ao food service - canal em que a demanda caiu até 80% por causa do isolamento social imposto pela pandemia -, passaram a trabalhar com margens menores, embora seus produtos tenham ficado mais caros nas gôndolas dos supermercados.

     

    INDÚSTRIA QUÍMICA

     

    Nova lei de saneamento deve estimular produção de cloro

     

    O novo marco do saneamento cria condições para atrair investimentos bilionários para o segmento de água e esgoto no Brasil com a maior participação da iniciativa privada e, consequentemente, elevar a demanda de cloro e derivados, usados no tratamento de água, e de resina PVC, que vai em dutos e tubulações.

     

    MACRO

     

    Governo pisa no freio na agenda ambiental

    Pressionado por investidores estrangeiros, bancos, multinacionais e grandes empresas brasileiras, o governo Jair Bolsonaro decidiu pisar no freio em propostas polêmicas na área ambiental. Um dos projetos atingidos por essa mudança de orientação trata das regras para demarcação de terras indígenas. Outro tema que perdeu força na lista de prioridades do Planalto é o projeto de lei que permite as atividades de mineração e geração de energia em terras indígenas.

    Governistas divergem sobre estratégia em relação a veto

    Apesar de negarem confronto, aliados do presidente Jair Bolsonaro têm dado informações desencontradas sobre a estratégia do Palácio do Planalto em relação ao veto à prorrogação da desoneração da folha de pagamento. O bate cabeça pode contaminar a narrativa que vinha sendo vendida de que um acordo estava prestes a ser concretizado. A expectativa é que o dispositivo seja analisado pelo Congresso nas próximas semanas.

    Argentina quer duto bilionário para levar gás até Porto Alegre

    O novo embaixador da Argentina no Brasil, Daniel Scioli, apresentou formalmente ao governo Jair Bolsonaro um projeto bilionário de gasoduto para escoar a produção de Vaca Muerta - uma das maiores reservas de gás de xisto do planeta - até Porto Alegre. De lá, o insumo argentino poderia conectar-se com a rede brasileira para abastecer os mercados da região Sul e de São Paulo.

    Com ajuda de Alcolumbre, Planalto tenta aprovar 11 projetos até novembro

    Com o auxílio do presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), o governo trabalha para tentar aprovar 11 projetos prioritários até novembro, quando acontecem as eleições municipais. A ideia é concentrar forças em pautas que possam auxiliar na retomada da economia após a pandemia da covid19. A lista é ambiciosa e tem em seu topo as propostas de emenda à Constituição (PEC) do Pacto Federativo e dos Fundos Públicos. Mas há também projetos como o que trata da Lei de Recuperação Judicial e Falências, Lei do Gás e autonomia do Banco Central.

    Após longo declínio, Rio enfrenta desafio de buscar saídas

    A recessão provocada pelas medidas de isolamento social que atingiu o Brasil encontrou o Estado do Rio de Janeiro e sua capital especialmente vulneráveis, depois de anos de perda de dinamismo econômico e uma combinação de crises nas áreas política, fiscal e de segurança pública. O Estado tem o pior resultado de emprego formal no país na pandemia e a quarta maior queda da atividade econômica no segundo trimestre.

    Fazenda Nacional exclui R$ 5 bilhões da dívida ativa

    A Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN) cancelou 621 mil inscrições na dívida ativa da União que estavam prescritas, em um valor total de aproximadamente R$ 5 bilhões. Essa foi a primeira exclusão feita por cruzamento de dados, de forma eletrônica.

     

    M&S

     

    Siderurgia tem recuperação e já reajusta preços

    O setor siderúrgico brasileiro foi mais resiliente na crise deste ano do que se imaginava. No auge da pandemia, no fim de março, o Instituto Aço Brasil (IABR) chegou a estimar uma queda de 20% no consumo aparente este ano. Com todo esse pessimismo e a economia parada, a utilização capacidade instalada das usinas no país chegou a cerca de 42%. Em abril, 13 altos-fornos foram desligados para adequar a produção à demanda.

    Exportação da Buritirama

    A Buritirama, maior mineradora de manganês do país, com operações na região de Marabá (PA), acaba de ter sua capacidade de exportação ampliada pelo Terminal Portuário de São Luís (TPSL), no Maranhão. A VLI, concessionária de logística, ampliou o volume de carga do minério no TPSL. A empresa fez recentemente o embarque de 70,6 mil toneladas de manganês, da Buritirama, para a China - o maior volume de manganês para o exterior.

     

    OIL & GAS

     

    Distribuidoras testam abertura do setor de gás

    As distribuidoras de gás canalizado esperam reduzir a dependência da Petrobras a medida em que a abertura do mercado brasileiro se consolide. No Nordeste, as concessionárias locais se preparam para lançar ainda neste ano uma nova chamada pública conjunta, de olho na janela aberta pela entrada de novos agentes, seja na produção de campos maduros terrestres, seja na importação de gás natural liquefeito (GNL). As pretensões, contudo, podem esbarrar nas dificuldades dos fornecedores em acessar a infraestrutura.

     

    Bahiagás compra de pequeno produtor e negocia mais contratos

     

    A distribuidora baiana de gás natural, a Bahiagás, saiu na frente de seus pares na busca por novas fontes de suprimento. A empresa começou a receber em julho o gás produzido pela Alvopetro, uma pequena petroleira que construiu no Recôncavo a primeira unidade de processamento privada do país, e se lançou no mercado em busca de novos supridores. A concessionária tem contrato com a Petrobras só até o fim do ano e tem, em sua mesa, hoje, propostas comerciais de seis empresas diferentes.

    Vendas da Petrobras

    A Petrobras deu início à fase vinculante de dois processos de desinvestimento. Um deles é referente às participações em cinco sociedades de geração de energia elétrica: Brasympe Energia, Energética Suape II, Termoelétrica Potiguar, Companhia Energética Manauara e Brentech Energia. A petroleira também iniciou a fase vinculante da venda de parte de sua participação em ativos de exploração e produção (E&P) na Bacia do Espírito Santo.

     

    SANEAMENTO

     

    Leilões de saneamento são alvo de questionamento

    A primeira leva de leilões de saneamento realizada sob a nova legislação do setor tem gerado uma série de questionamentos e pedidos de impugnação dos editais - com o potencial de evoluírem para disputas na Justiça. As críticas vêm tanto de municípios quanto das próprias empresas interessadas nos projetos.

     

    TECNOLOGIA

     

    Disputa pela Linx

    A Totvs prorrogou por 30 dias a validade da proposta de combinação com a Linx. Com isso, a oferta permanece válida até 13 de outubro. A empresa também confirmou aos assessores dos conselheiros independentes da Linx estar de acordo com a correção da parcela a ser paga por ação da Linx, no valor de R$ 6,20, com base na variação do CDI, a partir do sexto mês contado da proposta apresentada à administração de Linx. A proposta da Totvs totaliza R$ 6,1 bilhões, mais multa de R$ 100 milhões se a transação não for aprovada pelo Cade. A oferta concorre com a apresentada pela Stone, de R$ 6,248 bilhões.

     

    TELECOM

     

    Pequenas teles dizem à Anatel que venda de ativos da Oi reduz a concorrência

    A venda dos ativos móveis da Oi para a Vivo, TIM e Claro terá grave impacto sobre as prestadoras de pequeno porte (PPPs) e as chamadas operadoras competitivas, além de contribuir para a redução de investimentos e da qualidade de serviços, com elevação de preços aos consumidores. Esta é a principal conclusão do trabalho apresentado ao presidente do comitê de PPPs da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), Emmanoel Campelo, na sexta-feira.

     

    VAREJO

     

    Petz estreia com alta de 22% na B3

    As ações da rede de petshops Petz fecharam a sexta-feira, seu primeiro dia de negociação na B3, com forte valorização. Os papéis registraram alta de 21,82%, negociados a R$ 16,75. O volume financeiro somou R$ 982,9 milhões.

    Sem iPhone novo, Apple lança linha de acessórios

    As apresentações mais memoráveis da Apple sempre acabavam com “mais uma coisa” - “slogan” famoso de Steve Jobs para a revelação-surpresa de um produto. Neste ano, no entanto, o evento de lançamentos da empresa, marcado para amanhã, terá uma coisa a menos.

    VESTUÁRIO

     

    Em casa, consumidor procura por moda básica

    Sem eventos sociais por causa das medidas de isolamento e com mais pessoas trabalhando remotamente, as cestas de compra mudaram na pandemia, com vestidos e camisas sociais dando lugar a bermudas e moletons. Grandes varejistas como a C&A, Hering e Lojas Marisa tiveram aumento de três a quatro dígitos na demanda por camisetas, chinelos e até pijamas. Renner, Riachuelo e Amaro também sentiram a migração e direcionaram lançamentos para atender essa demanda.

    Newsfeed(back) de Política

    A semana que vem pela frente A principal expectativa é sobre o avanço nas definições do relatório do senador Márcio Bittar sobre a PEC do Pacto Federativo. Nas reuniões da semana passada com o time econômico, ele acertou que o relatório contemplará gatilhos e outros mecanismos polêmicos de redução de despesas (desindexação de gastos ligados ao salário mínimo e a desvinculação do piso de saúde e educação), além de já trazer as linhas gerais do Renda Brasil. O texto ainda passará pelo crivo do Planalto antes de ser apresentado.

    Há expectativa também quanto à realização de sessão do Congresso na quarta-feira, quando pode acontecer a deliberação do veto à extensão das desonerações. O governo reconhece que deve perder e chegou a sugerir um acordo para amenizar a sensação de derrota -- mas a equipe econômica ainda busca soluções. Parte do governo ameaçou ir ao Supremo em caso de derrubada do veto. Ainda há desencontros sobre a estratégia a ser adotada, e a sessão pode mais uma vez não acontecer.

    A Câmara tentará também resolver o imbróglio para reinstalar a CCJ e dar início à tramitação da reforma administrativa -- na semana passada não houve acordo para votação do projeto de resolução com a oposição, que pretende retardar a discussão sobre o tema. Vale mencionar que o período de convenções municipais vai até quarta-feira, o que indica atenções mais dispersas até lá.

    E, na semana seguinte à decisão de Celso de Mello de exigir que Bolsonaro preste depoimento presencial na investigação sobre interferência na PF, a Quinta Turma do STJ julga, na terça, o pedido do senador Flávio Bolsonaro para interromper as investigações do MP do Rio sobre rachadinha -- o pedido é o que já foi negado monocraticamente pelo relator Félix Fischer.

    Do noticiário entre sexta e hoje, destaque para a decisão de Bolsonaro de vetar parte da norma que permitiria perdão de dívida de igrejas, como recomendado pelo Ministério da Economia -- em troca, ele acenou para seu público e prometeu propor instrumentos para "atender à justa demanda das entidades religiosas" e disse que se fosse parlamentar derrubaria o próprio veto.

    E vale a leitura do artigo de Rodrigo Maia para a Folha, com defesa do teto de gastos e da aprovação das PECs 438/Pacto Federativo. Ele diz não ver espaço para acionamento de gatilhos sem uma emenda à Constituição.

    Também chamamos a atenção para os riscos vistos pelo governo de alteração no valor do auxílio emergencial.

    E o governo passou a ventilar relação de onze projetos que pretende aprovar no Senado antes das eleições municipais. A agenda ambiciosa inclui a Lei do Gás, autonomia do Banco Central e a recuperação judicial.

    Internacional

    Covid-19: Segundo a OMS, são 28.637.952 casos confirmados e 917.417 óbitos

    As tensões entre os EUA e a China ganharam novos capítulos neste fim de semana: Beijing anunciou que adotará medidas contra diplomatas americanos após determinações de Trump sobre diplomatas chineses nos EUA (https://on.wsj.com/3kfo6UU). A Microsoft comunicou que sua oferta para comprar o TikTok foi rejeitada pela chinesa ByteDance, que caminha para fechar parceria com a Oracle.

    Nos EUA, o panorama permanece adverso para a aprovação de um novo pacote de estímulo e, no Japão, o chefe de gabinete de Shinzo Abe, Yoshihide Suga, venceu a eleição para liderar o Partido Liberal Democrata. A vitória abre caminho para que ele se torne o novo premiê .

    Hoje é o 623° dia do governo Jair Bolsonaro.

    Hoje é o 187° dia da pandemia de Covid-19.

    Faltam 62 dias para as eleições municipais.

    Faltam 50 dias para as eleições nos EUA.

    XP Política

    (da redação com informações de assessoria. Edição: Genésio Araújo Jr)