• Cadastre-se
  • Equipe
  • Contato Brasil, 30 de novembro de 2020 12:00:02
Nordestinas
  • 07/08/2020 07h56

    Novo programa do governo federal, “Renda Brasil” vai atender seis milhões de famílias a mais que o Bolsa Família, comemora Fernando Bezerra Coelho

    De acordo com o líder do governo Bolsonaro no Senado, programa que será implementado até o final do ano atenderá aproximadamente 21 milhões de famílias; ele informou ainda que o auxílio emergencial pago aos trabalhadores autônomos e informais será prorrog
    Foto: Waldemir Barreto/ Agência Senado

    Fernando Bezerra Coelho em dia de sessão de plenário virtual

    ( Publicada oiginalmente às 19h 00 do dia 06/08/2020) 

    (Brasília-DF, 07/08/2020) O líder do governo do presidente Jair Bolsonaro (Sem Partido) no Senado, Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), afirmou nesta quinta-feira, 6, que o novo programa de transferência de renda do governo federal, intitulado de “Renda Brasil” e que deverá substituir o programa “Bolsa Família” deverá ser implementado até o final do ano, onde beneficiará cerca de 21 milhões de famílias, seis milhões a mais que são atualmente atendidas.

    A afirmação do senador pernambucano se deu numa entrevista a uma rádio do seu estado natal, Pernambuco. Segundo ele, o novo programa do governo federal corrigirá assim alguns erros do atual “Bolsa Família”, onde não eram visualizados pela máquina pública milhões de brasileiros que até então não eram assistidos e incluídos pelo Estado brasileiro.

    “Isso é bom para a região Nordeste, que tem mais de 50% do cadastro do Bolsa Família e também deverá ter do Renda Brasil. Isso significa forte aumento da renda para as famílias do Nordeste e para ativar o consumo, contribuindo para a recuperação da economia brasileira”, comentou o senador durante a entrevista.

    Prorrogação do auxílio emergencial

    O líder do governo Bolsonaro acrescentou também que o governo federal prorrogará o pagamento do auxílio emergencial de R$ 600,00, atualmente pago para os trabalhadores autônomos e informais de diversas categorias afetados pela pandemia do novo coronavírus (covid-19). Mas ele não antecipou se o valor continuará o mesmo e nem mesmo por quanto mais tempo o benefício será pago.

    “Deve haver nova prorrogação [do auxílio emergencial], mas não estão definidos o número de parcelas e [nem] o valor. Isso deve ser definido até o fim de agosto”, complementou.

    (por Humberto Azevedo, especial de Agência Política Real, com edição de Genésio Jr.)