• Cadastre-se
  • Equipe
  • Contato Brasil, 14 de novembro de 2019 02:52:47
publicidade


Magno Martins
  • 10/10/2019 08h28

    Bolsonaro precisar operar a cabeça

    Bolsonaro é um Donald Trump muito piorado

    Bolsonaro em dia de histrionismo( Foto; arquivo do colunista)

    (Recife-PE) Plagiando Lula, nunca na história republicana brasileira um presidente foi enxotado do partido pelo qual foi eleito como ocorreu, ontem, com Bolsonaro, um dia após afirmar que o presidente do seu PSL, Luciano Bivar, “está queimado para caramba”.

    “Sua fala foi terminal e já está afastado do partido”, anunciou Bivar, ao proclamar em tom alto e de viva voz o expurgo do presidente da República. O Brasil virou, literalmente, de cabeça para baixo. Tem um presidente que aconselha o povo a fazer cocô dia sim, dia não, e quando trata de turismo sexual, diz que “quem quiser vir aqui fazer sexo com uma mulher, fique à vontade”.

    Bolsonaro é um Donald Trump muito piorado: açoita a mídia, desafia a justiça, escracha a Lava Jato, dedura e insulta governadores e ainda quer convencer a quem, estarrecido, assiste a tudo isso, que não tem um parafuso solto. Já fez três cirurgias, só esqueceu a mais importante: a da cabeça.

    Traidor contumaz – Causou indignação e um sentimento de ojeriza nas principais lideranças do PSB no Estado a notícia, antecipada, ontem, nesta coluna, de que o deputado Ricardo Teobaldo, presidente estadual do Podemos, anda admitindo apoiar Geraldo Júlio a governador, em 2022. Estilo trator, Teobaldo tem na testa a pecha do maior traidor do ex-senador Sérgio Guerra (PSDB).

    Engoliu seco – Líder da corrente petista que se opõe a Marília Arraes na corrida pela Prefeitura do Recife, o senador Humberto Costa não engoliu a nota da executiva nacional do PT, em Brasília, solidária à pré-candidata, classificada de “menina mimada” pelo secretário de Agricultura, Dílson Peixoto. Está desapontado, pois achava que Gleisi Hoffman ficaria calada.

    Ovacionado – Diante do novo presidente nacional do MDB, Baleia Rossi, o coordenador do Pacto Federativo, Silvio Costa Filho (PRB), deu a boa notícia, ontem, aos prefeitos que defendem em Brasília a participação de 15% na receita do leilão do pré-sal, em 6 de novembro: a Câmara não fará alterações no texto da cessão onerosa já aprovado pelo Senado. Acabou ovacionado.

    Derrotado – O Governo do Estado sofreu uma baita derrota na Justiça ao ser obrigado a revogar a portaria de transferência do delegado da Regional de Arcoverde, Israel Rubis, para Vitória de Santo Antão. A decisão levou, novamente, à população às ruas, numa comemoração barulhenta.

    No deboche – O presidente Bolsonaro disse, ontem, que não levou a sério a expulsão do PSL propagandeada pelo deputado Luciano Bivar. Em tom debochado, afirmou que só deixará o partido quando quiser e se sair será pior, porque a bancada no Congresso sofrerá muitas baixas.

    GRANDEZA – Ao pedir, ontem, a transcrição nos anais da Câmara do artigo deste colunista homenageando o ex-ministro Fernando Lyra, o deputado Wolney Queiroz (PDT) revelou grandeza: a família Lyra, hoje no poder em Caruaru com a prefeita Raquel Lyra, está do outro lado do balcão.

    Perguntar não ofende: Qual partido vai querer abrigar Bolsonaro?