• Cadastre-se
  • Equipe
  • Contato Brasil, 14 de novembro de 2019 01:32:08
publicidade


Magno Martins
  • 04/10/2019 09h40

    Câmara pede R$ 336 milhões

    Representante do governador Paulo Câmara na reunião sobre o orçamento 2020 na bancada federal, quarta-feira passada, o secretário de Planejamento, Alexandre Rebelo, saiu do encontro resmungando

    Paulo Câmara quer dinheiro( foto: arquivo do colunista)

    (Recife-Pe) Tive acesso, ontem, em Brasília, a mensagem que o governador Paulo Câmara (PSB) enviou aos 25 deputados e três senadores apontando prioridades do seu Governo que dependem do orçamento da União.

    Num total de R$ 366 milhões, pede R$ 90 milhões para a Adutora do Oeste, R$ 70 milhões para barragem de Igarapeba, R$ 22 milhões para a barragem de Gatos, R$ 20 milhões para restauração da BR-101, R$ 15 milhões para duplicação da BR-104, R$ 20 milhões para restauração do aeroporto de Fernando de Noronha, R$ 40 milhões para o Hospital da Mulher de Caruaru e R$ 89 milhões para dragagem do Porto do Recife.

    São projetos estruturadores, mas o Estado está diante de um impasse na bancada: pelo novo critério adotado, as emendas coletivas acabam e em seu lugar surgem as emendas impositivas. A partir de agora, quem manda no orçamento são os deputados, que querem priorizar seus municípios.

    De cara fechada – Representante do governador Paulo Câmara na reunião sobre o orçamento 2020 na bancada federal, quarta-feira passada, o secretário de Planejamento, Alexandre Rebelo, saiu do encontro resmungando. Não entendeu porque a bancada quer acabar com as emendas coletivas para grandes projetos. Coordenador da bancada, nem Augusto Coutinho dobrou o secretário.

    Autonomia – O martelo sobre os novos critérios para distribuição das emendas orçamentárias para 2020 só será batido, entretanto, na próxima terça-feira, quando a bancada volta a tratar do assunto. Desta feira, será um encontro fechado, sem abrir exceção sequer para o representante do governador. A bancada quer mostrar, na prática, que tem autonomia.

    Mão que afaga – O presidente da Embratur, Gilson Neto, estendeu, ontem, a mão ao governador Paulo Câmara. Sem presença do Estado no Ministério, quer ser a ponte entre o Estado e o presidente da República para melhorar o fluxo de caixa nos cofres do Palácio das Princesas. Machado é homem forte no Governo, tem canal aberto e direto com o chefe Bolsonaro.

    Sem mudanças – Não é certo, ainda, que o presidente promova uma mudança ministerial tão logo o Senado vote em segundo turno a reforma da Previdência no Senado. A prioridade do Governo, segundo o blog apurou, é colocar em prática um plano que leve o País à retomada do desenvolvimento.

    Em alta – Se já tinha admiração pelo senador Fernando Bezerra Coelho (MDB), o presidente Bolsonaro passou a tê-lo mais em conta ainda depois do seu esforço descomunal para levar o Senado a aprovar a reforma da Previdência. Na terça-feira, dia da votação, FBC deixou a Casa, esbaforido, pela madrugada.

    PRESTÍGIO – O ex-ministro Mendonça Filho está com tanto prestígio com o apresentador global Luciano Huck que, antes de oferecer um rango para ele em sua casa, fez uma surpresa a uma fã dele: o apresentou a sua cozinheira, com ele adentrando na cozinha. A mulher quase enfarta.

    Perguntar não ofende: Quando Felipe Carreras vai abandonar a prática de se apresentar no estilo Mauricinho?