• Cadastre-se
  • Equipe
  • Contato Brasil, 14 de novembro de 2019 02:53:19
publicidade


Jorge Henrique Cartaxo
  • 03/10/2019 16h30

    No terreiro

    Todas essas reformas eram e são necessárias

    Abassá Axé Ilê Pilão de Oxaguian - Carybé* arquivo do colunista)

    Economistas são como videntes: sempre erram em suas previsões. A diferença é que estes são, necessariamente, mais honestos do que aqueles. Tudo o que se tem dito, de bom e de ruim, sobre a economia brasileira nos últimos tempos tem sido inconsistente e irrealizável.

    Inicialmente, venderam-nos o milagre da  reforma trabalhista. O País seria outro depois dessa nova Lei, feita ainda no governo Michel Temer. Na voz das autoridades e dos editorialistas adestrados de então, o desemprego iria sumir na República dos deserdados. Mentira! A reforma foi feita e o desemprego aumentou. Depois, já no governo Bolsonaro, o camelô de plantão no balcão do ministério da Economia, Paulo Guedes, esbravejou aos quatro ventos que a reforma da previdência iria salvar a Pátria. Mais uma vez, animado por economistas amigos e editorialista adestrado, o governo tocou o terror no bananal. Escolheu, como inimigo do País, os servidores públicos. Aprovada na Câmara, assegurada no Senado, a reforma, já se sabe, não irá interferir em nada na dinâmica da nossa economia. Seu grande foco e objetivo é destruir a previdência pública e obrigar os brasileiros a contratarem os inseguros e desonestos planos de previdência privados. Ou seja: dar dinheiro aos bancos.

    Uma nova reforma, a Tributária, igualmente importante, já tramita no Congresso Nacional. Tema delicada, mas fundamental para a reorganização da economia do País. Menos comentada do que as demais, até porque mais diversa em interesses, a Reforma Tributária, também vendida como outro milagre, estará sendo feita para assegurar privilégios. Assim como a trabalhista e a previdenciária, a Reforma Tributária servirá para garantir mais concentração de renda, tungar a classe média e achacar os brasileiros de um modo geral.

    Todas essas reformas eram e são necessárias. Mas não precisam ser tão perversas. Não temos espaços para destacar aqui algumas das agressões aos cidadãos transformados em Lei pelo Congresso. Mas, os interessados, devem pesquisar. Ficarão assombrados!

    Já temas como Saúde, Educação, Ciência e Tecnologia, Meio Ambiente,  Abertura de Mercados, Transporte Público, Urbanismo, Saneamento, Sistema Financeiro....nada disso tem merecido qualquer atenção do governo e/ou do Congresso. Até mesmo a festejada Segurança Pública é prisioneira do narcotráfico. Na outra ponta, a Justiça, em particular o STF, só se movimenta para desenhar a forma mais eficaz de manter a corrupção intocável!