• Cadastre-se
  • Equipe
  • Contato Brasil, 04 de abril de 2020 17:53:17
Edson Vidigal
  • 31/01/2020 09h01

    Reação da economia melhora o NE

    A reação da economia se reflete também no segmento festivo do Nordeste

    A economia se movimenta( foto: arquivo do colunista)

    (Recife-PE)  Não é versão de troncoso afirmar que a economia reage, apesar dos altos e baixos no Governo gerados pelo desequilíbrio mental do presidente Bolsonaro. Há setores que começam a gerar empregos e renda, entre eles a construção civil. No Nordeste, o número de novos empreendimentos aumentou 25,5% no apagar das luzes de 2019. Foram registradas 257.697 aberturas, segundo o Indicador de Nascimento de Empresas da Serasa Experian.

    O acumulado de janeiro a dezembro mostrou a abertura de 2,9 milhões de empresas, com alta de 23,3% no ano. O volume de novos negócios foi maior, entretanto, na Região Norte, com aumento de 36,3%. Em seguida aparecem o Nordeste (27,3%), o Centro-Oeste (26,3%), o Sul (24,8%) e o Sudeste (24,2%). Entre os estados, o que apresentou a maior variação foi o Amapá, com 73,2%, seguido pelo Amazonas (59,9%) e Roraima (51,8%).

    O Espírito Santo aparece em último, com alta de 15,1%. As sociedades limitadas foram as que mais cresceram, com alta de 50,9% - 22.622 em 2019 ante 15 mil no penúltimo mês do ano anterior. As empresas individuais apresentaram aumento de 7,4%, com 12.833 novos negócios no mês analisado e os demais portes registraram 15.498 aberturas no período. Os sinais de recuperação da atividade econômica ajudaram, inclusive, a frear a perda de popularidade do presidente Jair Bolsonaro.

    Segundo a última pesquisa Datafolha, a taxa de ótimo ou bom à sua administração oscilou 5% para mais. A taxa de reprovação, que tinha crescido de 30% para 38% em agosto desde a posse de Bolsonaro, agora recuou para 36%. Ainda segundo o levantamento, 43% acham que a economia vai melhorar nos próximos meses, contra 40% que pensavam assim na pesquisa anterior.

    Mais shows e festas – A reação da economia se reflete também no segmento festivo do Nordeste. Conversando em Fortaleza com o cantor Waldonys, hoje o mais demandado na região, com uma média de cinco apresentações por semana, ele confessou que cresceu muito, nos últimos três meses, o número de contratação para shows não apenas dele, mas em geral. “Sinto isso com os mais variados artistas amigos”, disse, adiantando ser reflexo da política econômica do ministro da Economia, Paulo Guedes, a quem considera um dos melhores da equipe de Bolsonaro.

    Vai e vem – O presidente Bolsonaro recuou, ontem, pela segunda vez, da degola de Vicente Santini, o número 2 da Casa Civil. Ele já havia anunciado a exoneração do cargo de secretário-executivo da Casa Civil. O presidente não gostou de ele ter usado um voo da Força Aérea Brasileira para viajar à Índia. No mesmo dia, Santini foi nomeado para outro cargo na Casa Civil. Ele seria assessor especial da Secretaria Especial de Relacionamento Externo da Casa Civil. Santini recebia um salário bruto de R$ 17.327,65 mensais. No novo cargo, de categoria DAS 102.6, a remuneração prevista seria de R$ 16.944,90 (R$ 382,75 a menos).

    Mau exemplo – As igrejas no Brasil deixaram de recolher R$ 420 milhões só com as taxas de INSS de seus funcionários, segundo a lista dos devedores da União disponibilizada pela Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional. No topo do ranking aparece a Igreja Internacional da Graça de Deus, do pastor Romildo Ribeiro Soares, com cerca de três mil templos espalhados em onze países. É bom lembrar que as igrejas em geral são isentas de uma série de impostos no Brasil.

     

    Na liderança – O deputado Felipe Carreras, em maus lençóis no PSB desde que sofreu uma cassação “branca” do seu mandato por um ano, em razão do voto favorável à reforma da Previdência, comemorou, ontem, pesquisa da Anac, a Agência Nacional de Aviação Civil, apontando Recife como a capital do Nordeste que teve a maior movimentação em 2019, com 8.638,608 passageiros, superando Salvador, que registrou 7.351,020 e Fortaleza, com 7.087.627. Carreras atribuiu o crescimento ao seu trabalho na pasta de Turismo. “Quando assumimos, Pernambuco perdia por cerca de 1 milhão de passageiros para a Bahia”, afirmou, em suas redes sociais.

    CURTAS

    SISTEMA TRAVADO – O Governo fez o maior balacubaco para comemorar o sistema de digitalização e modernização na emissão da carteira de identidade, mas o programinha deve ter dado algum pau ou travado na conexão direta com o Interior. Em São José do Egito, no Sertão do Pajeú, por exemplo, desde setembro não chegam por lá as carteiras já emitidas. Quando ainda funcionava nos moldes anteriores, sem acompanhar os avanços digitais, as carteiras eram entregues com maior rapidez a quem requeria.

    EM IPOJUCA – A direção do PROS em Pernambuco, sob a liderança do ex-deputado João Fernando Coutinho, tem investido em novos quadros de peso para estimular candidaturas a prefeito na Região Metropolitana e Interior. Até Ipojuca, a galinha dos ovos de ouro, cobiçada por qualquer gestor público pela sua baita arrecadação, o partido terá candidato próprio. O ungido é o advogado e biomédico Gledson Pimentel, recentemente empossado na presidência do diretório municipal da legenda.

    PREFEITO REPROVA – O prefeito Geraldo Júlio reprovou a postura do secretário de Segurança, Murilo Cavalcanti, que expôs e provocou vexame à gestão municipal ao defender a legalização de drogas pesadas, como cocaína, em vídeo viralizado nas redes sociais. Em nome do segmento evangélico, representado por um eleitorado crescente na capital, o deputado Pastor Cleiton (PP), da base governista, postou na web um vídeo condenando a pisada de bola do auxiliar do prefeito. Murilo é a favor também do comércio legal do crack e da maconha.

    Perguntar não ofende: Dá para se orgulhar de manter no primeiro escalão municipal do Recife um defensor da legalização de drogas pesadas?