• Cadastre-se
  • Equipe
  • Contato Brasil, 16 de setembro de 2021 21:42:53
Humberto Azevedo
  • 24/02/2021 18h37

    Após reunião com Pacheco, Jean Paul Prates diz que tendência é que PEC emergencial seja votada de maneira fatiada

    Líder da minoria no Senado, o parlamentar do PT potiguar informou ainda que votação que poderá prorrogar o pagamento do auxílio emergencial acontecerá antes da deliberação da iniciativa que retiraria recursos da educação e saúde

    Senador potiguar em plenário comentando acertos e dissensos entre os parlamentares daquela Casa

    Após se reunir na tarde desta quarta-feira, 24, com o presidente do Senado Federal, senador Rodrigo Pacheco (DEM-MG), o líder da minoria naquela Casa legislativa, senador Jean Paul Prates (PT-RN), disse que a tendência é que o parecer do senador Márcio Bittar (MDB-AC) à Proposta de Emenda à Constituição (PEC) intitulada de emergencial seja votada de maneira fatiada.

    De acordo com o petista potiguar, o senador mineiro do DEM teria-lhe informado ainda que a votação que poderá prorrogar o pagamento do auxílio emergencial deverá acontecer antes da deliberação da iniciativa que desvincularia recursos da educação e saúde, para promover uma maior folga orçamentária ao caixa do Tesouro Nacional para bancar o benefício, que em 2.020 custou mais de R$ 300 bilhões e atendeu quase 70 milhões de brasileiros em nove meses.

    O programa foi estabelecido pelo governo federal e aprovado pelo parlamento em abril de 2.020 como uma das formas de garantir aos trabalhadores autônomos e informais uma renda mínima em função de que tiveram suas atividades paralisadas devido a pandemia do novo coronavírus (covid-19), que já matou mais de 248 mil brasileiros.

    “É uma medida de dimensão muito maior. Todos os movimentos [sociais] e deputados e senadores solicitaram que houvessem mais tempo para se discutir, que houvesse a segregação desses assuntos e tratar exclusivamente [da prorrogação] do auxílio emergencial e em separado e mais tempo, outras medidas a questão orçamentária e a questão da desvinculação e o presidente [Rodrigo Pacheco] ao final expressou primeiro uma gratidão e um respeito, ele usou essa palavra, e que sempre ouvirá as centrais sindicais, os movimentos sociais nos momentos cruciais de decisão como esse, seguindo o compromisso que ele assumiu com os senadores do PT à época que nós referendamos o nosso apoio a ele como candidato à presidência do Senado”, falou.

    “E agradeceu muito as palavras de todos, disse que continuaria utilizando essa forma de atuar, de ouvir a todos os movimentos tanto de um lado, quanto de outro e revelou que vê, de alguma forma o viés pró a separação destes assuntos. E que caberá ao Senado e não necessariamente a ele essa decisão, mas que vai submeter ao Senado essa decisão de separar esses assuntos e que ele acha é que tendência, que ele tem ouvido na Casa, é de que haja realmente a especificação do auxílio emergencial em separado a questão da desvinculação dos recursos e disse também que a tendência é de votação na semana que vem, e que se desse mais tempo amanhã de se fazer uma sessão de discussão do assunto no plenário do Senado”, complementou.