• Cadastre-se
  • Equipe
  • Contato Brasil, 28 de outubro de 2021 05:56:13
Humberto Azevedo
  • 14/01/2021 23h05

    Deputados do PSOL acionam DPU para União garantir oxigênio em Manaus; governo do Piauí cede EPIs e testes rápidos ao governo do Amazonas

    Oposicionistas denunciam situação caótica em que se encontram os manauaras e afirmam que tudo poderia ser evitável se governo Bolsonaro não agisse negando a pandemia e coordenasse nacionalmente um plano de combate ao covid-19

    Falta de oxigênio nos hospitais de Manaus agravou a situação da crise sanitária causada pelo covid-19

    A líder do PSOL Fernanda Melchionna (RS) juntamente com os deputados David Miranda (PSOL-RJ), Sâmia Bomfim (SP) e Vivi Reis (PSOL-PA) enviaram no final da tarde desta quinta-feira, 14, um ofício à Defensoria Pública da União (DPU) pedindo para que o Poder Judiciário seja acionado o mais rápido possível para que o governo federal seja obrigado em garantir oxigênio a cidade de Manaus, que passa por uma das mais graves crises de saúde da história do país. Já o governo do estado Piauí, através da secretaria de estadual de Saúde (Sesapi), enviou nesta tarde para o governo do estado do Amazonas 45 mil equipamentos de proteção individuais (EPIs) e mais de 30 mil testes rápidos para ajudar no controle de circulação das pessoas, como forma de evitar que a doença, que já matou mais de 207 mil brasileiros, para de contagiar mais pessoas na capital amazonense. A cessão foi feita através de um acordo de cooperação entre os dois estados.

    O documento elaborado pelos parlamentares do PSOL pede que a União garanta todos os recursos necessários e usando todos os meios possíveis, como inclusive a requisição de bens e serviços prevista no inciso sétimo do artigo terceiro da Lei 13797/20. A iniciativa visa garantir que o governo federal garanta, ainda, o transporte de insumos necessários até a cidade de Manaus, assim como o pronto atendimento dos pacientes diagnosticados pelo covid-19. No ofício à DPU, os deputados pessolistas dizem estar extremamente preocupados com o fato de que o governo federal decida pressionar ainda mais os médicos da rede pública para prescrever os remédios defendidos pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e que não apresentam eficácia alguma no tratamento da doença.

    “É uma situação gravíssima que não pode sob nenhuma hipótese estar submetida a quaisquer outros interesses, sejam eles econômicos, políticos ou ideológicos. É disso que se trata, sobretudo, a primazia dos Direitos Humanos: da garantia de que os interesses dos estados, conflitos entre governantes ou interesses particulares não se sobreponham, pela via da força ou de qualquer outra, à garantia da vida, da integridade, da saúde e de liberdades mínimas”, afirmou a líder do PSOL, Fernanda Melchionna.

     

    Ajuda piauiense

    Já a ajuda do governo do Piauí ao governo do Amazonas com o envio das EPIs, que envolvem dez mil aventais impermeáveis manga longa, 15 mil protetores faciais, dez mil máscaras N95 e dez mil máscaras triplas descartáveis. Para o secretário de Saúde do Piauí, Florentino Neto, o governo piauiense “está dando sua parcela de contribuição nesse momento difícil” em que a capital amazonense passa por um aumento dramático, onde o número de casos e mortes por conta do covid-19 cresceu 183% na última semana.

    “O governador Wellington Dias está sensível à situação dos nossos irmãos amazonenses e, dentro desse espirito fraternal, estamos colaborando com a cessão de Equipamentos de Proteção Individual e testes rápidos Covid para amenizar o sofrimento deles”, comentou o secretário piauiense.

     

    Críticas ao presidente

    Devido a situação emergencial que se encontra a população de Manaus, com toque de recolher entre às 19 horas até às 06 horas do dia seguinte, onde está proibida a circulação de pessoas e todas atividades econômicas não essenciais estão fechadas, diversos parlamentares oposicionistas denunciaram a situação caótica em que se encontram os manauaras e afirmam que tudo poderia ser evitado se governo federal não agisse negando a existência da pandemia e coordenasse nacionalmente um plano de combate ao novo coronavírus (covid-19).

    “A situação em Manaus voltou a se agravar nas últimas horas. Administradores de hospitais e profissionais que atendem covid relatam que o oxigênio acabou e que uma ala inteira de pacientes morreu sem ar. É uma irresponsabilidade sem tamanho dos governos federal, estadual e municipal que não se programaram para o pior. Bolsonaro chegou a dizer que ‘estamos no finalzinho da pandemia’, a mesma que ele chamou de gripezinha, mas que já matou mais de 200 mil brasileiros”, condenou a líder do PCdoB, deputada Perpétua Almeida (AC).

    “Pazuello esteve em Manaus ontem, sabia da gravidade, nada fez. Bolsonaro, que dificulta recursos para vacinas e incentiva as pessoas a não se vacinarem, se comporta como um ‘líder’ que conduz seus seguidores ao suicídio. Pazuello e Bolsonaro precisam responder por mais esse crime. O Brasil é o único país que tem um Sistema Único de Saúde, público e gratuito, e que não começou a vacinar. Está faltando oxigênio, UTI e respiradores. Falta emprego para o povo. Mas, acima de tudo, falta presidente! Alguém com capacidade para comandar o país. Bolsonaro é incapaz”, completou a líder do PCdoB.