• Cadastre-se
  • Equipe
  • Contato Brasil, 22 de fevereiro de 2024 03:40:12
Em Tempo Real
  • 12/02/2024 06h37

    Israel descobre túneis embaixo da agência das Nações Unidas, em Gaza

    Veja mais
    Foto: REUTERS/Dylan Martinez

    Soldados de Israel colocam robôs nos tuneis encontrados embaixo de espaço da ONU

    ( Publicada originalmente às 20h 00 do dia 10/02/2024) 

    Com Reuters

    Forças israelenses descobriram uma rede de túneis com centenas de metros de comprimento que passa parcialmente sob a sede da UNRWA em Gaza, disseram os militares, chamando-a de nova evidência da exploração da principal agência de ajuda humanitária aos palestinos pelo Hamas.

    Engenheiros do Exército conduziram repórteres de meios de comunicação estrangeiros pelas passagens em um momento de crise para a UNRWA, que lançou uma investigação interna e viu uma série de países doadores congelarem o financiamento devido a alegações feitas no mês passado por Israel de que alguns de seus funcionários também atuaram como agentes do Hamas.

    Os palestinos acusaram Israel de falsificar informações para manchar a UNRWA, que emprega 13 mil pessoas na Faixa de Gaza e tem sido uma tábua de salvação para a população dependente de ajuda durante anos. A agência gere escolas, clínicas de cuidados de saúde primários e outros serviços sociais, e distribui ajuda, descrevendo as suas actividades como puramente humanitárias.

    A sede da UNRWA fica na cidade de Gaza, entre as áreas do norte que tropas e tanques israelenses invadiram no início da guerra de quatro meses contra a facção islâmica governante Hamas, fazendo com que centenas de milhares de civis fugissem para o sul.

    Os repórteres que participaram da viagem escoltada de perto entraram em um poço próximo a uma escola na periferia do complexo da ONU, descendo até o túnel revestido de concreto. Vinte minutos de caminhada pela passagem sufocante, estreita e ocasionalmente sinuosa os levaram ao quartel-general da UNRWA, disse um tenente-coronel do exército que liderava o passeio.

    O túnel, que os militares disseram ter 700 metros de comprimento e 18 metros de profundidade, às vezes se bifurcava, revelando salas laterais. Havia um espaço de escritório, com cofres de aço que haviam sido abertos e esvaziados. Havia um banheiro de azulejos. Uma grande câmara estava repleta de servidores de computador, outra com pilhas de baterias industriais.

    “Tudo é feito daqui. Toda a energia para os túneis por onde você passou é alimentada daqui”, disse o tenente-coronel, que informou apenas o primeiro nome, Ido.

    "Este é um dos comandos centrais da inteligência. Este lugar é uma das unidades de inteligência do Hamas, onde comandou a maior parte do combate."

    Mas Ido disse que o Hamas parecia ter evacuado face ao avanço israelita, cortando preventivamente os cabos de comunicação que, numa parte aérea da visita, ele mostrou a passar pelo chão da cave da sede da UNRWA.

    Parece que as fortes barragens israelitas e as chuvas prolongadas de Inverno também podem ter desempenhado um papel na partida: vários troços do túnel estavam obstruídos com areia deslocada e água até aos joelhos.

    Num comunicado, a UNRWA afirmou ter desocupado a sede em 12 de outubro, cinco dias após o início da guerra, e que, portanto, "não foi capaz de confirmar ou comentar" a descoberta israelense.

    "A UNRWA... não tem conhecimentos militares e de segurança, nem capacidade para realizar inspeções militares do que está ou poderá estar sob as suas instalações", afirmou o comunicado.

    “No passado, sempre que (uma) cavidade suspeita era encontrada perto ou sob as instalações da UNRWA, cartas de protesto eram prontamente apresentadas às partes no conflito, incluindo tanto as autoridades de facto em Gaza (Hamas) como as autoridades israelitas”.

    Os apoiantes da UNRWA dizem que esta é a única agência com meios para ajudar os palestinianos no agravamento da situação humanitária. Israel diz que a agência está “perfurada pelo Hamas” e deve ser substituída. O Hamas negou operar em instalações civis.

    "Sabemos que eles (o Hamas) têm pessoas a trabalhar na UNRWA. Queremos que todas as organizações internacionais trabalhem em Gaza. Isso não é um problema. O nosso problema é o Hamas", disse Ido aos jornalistas.

    A falta de recepção de celular no túnel impossibilitou sua geolocalização como se estivesse sob a sede da UNRWA. Em vez disso, pediu-se aos repórteres que colocassem itens pessoais em um balde que foi baixado por uma corda até um buraco vertical no terreno da sede. Eles se reuniram com os itens ainda amarrados durante o passeio pelo túnel.

    Como condição para levar jornalistas na viagem, os militares israelenses não permitiram fotografias de inteligência militar, como mapas ou certos equipamentos, no comboio de veículos blindados em que viajavam. viagem.

     

    ( com Reuters)


Vídeos
publicidade