• Cadastre-se
  • Equipe
  • Contato Brasil, 16 de setembro de 2021 21:21:39
Genésio Jr.
  • 25/07/2021 13h06

    Será que os gatos vão se transformar em cães?

    Os militares agora serão minoria no Palácio do Planalto

    Cães e agora são os gatos( Foto: Câmara Municipal)

    (Brasília-DF) Este 26 de julho de 2021 tem tudo para ser a oficialização da chegada da cúpula do Centrão no Governo Jair Bolsonaro. Haverá a oficialização da recriação de um ministério, o velho MTE( Ministério do Trabalho e Emprego) justamente para este fim. O fisiologismo fincado morada.

    De quebra, o presidente Jair Bolsonaro( sem partido) disse publicamente que sempre foi Centrão. De fato, ele esteve filiado a partidos que hoje são a cara desse grupamento de partidos, enfim, ele foi filiado por anos a fio ao Partido Progressista(PP). Ele sempre foi um soldado por lá, nunca teve posição de destaque. Agora, ele indica um general da tropa do Centrão, o senador Ciro Nogueira( Progressistas-PI), para funcionar como o Ministro Chefe da Casa Civil.

    Quando Bolsonaro encheu seu Ministério, especialmente o Palácio do Planalto, de generais ele tinha a certeza que teria uma das características da caserna e da vida marcial, que vem a ser a lealdade vestida de respeito à autoridade. Está na Constituição Federal que o Presidente da República é o chefe supremo das Forças Armadas. Os generais batem continência para o chefe do Executivo como o faziam para os marechais, que não existem mais na estrutura das FA’s desde a reforma de 1.967.

    Os militares agora serão minoria no Palácio do Planalto. Os militares obedecem por autoridade. Os políticos respeitam um chefe do Executivo por diversas outras razões. Entre elas tem o fato de pertencer ao seu mesmo partido político, por ele ter legitimidade referendada pelo apoio popular e da opinião pública, ou por terem controle de políticas públicas, que foram montadas por eles próprios. Há outras razões, sim, talvez mais difusas ou inconfessáveis à luz do dia.

    Bolsonaro colocou para fora de casa os predicados que lhe garantiram a chegada nessa morada e vendo que, para continuar lá, tinha que arrumar outros predicados. Só um tolo não vê  que ele faz esse rearranjo não porque avalie que seja o melhor para um país de todos, mas, sim, para seus projetos de sobrevivência.

    Ele sabe que os seus mais fiéis seguidores estão com ele, pois em nome de um projeto finalista, os fins justificam os meios( nós já ouvimos falar nisso, heim?!) não arredam o pé. Seus apoiadores mais estridentes detestam tanto o que representa os governos petistas, que não estão nem aí se o Mito(?!) faz qualquer tipo de acerto para evitar que os petistas voltem ao poder.

    Hoje, como se sabe, as pesquisas apontam que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva lidera todas as estimativas para ser eleito novamente presidente da República em 2022.  Interessante, é que tanto Bolsonaro como Lula vendem que não existem alternativas a eles na urna no ano que vem, pretenciosos que são.

    Ciro Nogueira chegando na Casa Civil da Presidência da República vai ditar a regra, gostem os bolsonaristas ou não. Bolsonaro disse na semana passada que iria conversar com Ciro Nogueira nesta segunda-feira, como se ele é que fosse ditar as regras. Um jogo de cena para os seus.  Ciro Nogueira é gato e não cachorro. Ele gosta da casa, ele não gosta do dono da casa.

    É evidente que ele vai tentar salvar o Governo, que eles, junto com Arthur Lira , não vão permitir Impeachment.  Foi montado durante o tempo de Michel Temer, o breve, as raízes de um parlamentarismo de fato no Brasil. As reformas feitas nas leis orçamentárias nos últimos anos montou um orçamento impositivo, coisa que nem o poderosíssimo Antônio Carlos Magalhaes conseguiu.

    Já faz tempo que se diz no Congresso, que Bolsonaro é o melhor para o políticos que adoram controlar orçamento.

    O Centrão chegou ao poder em condições nunca vistas e imaginadas, que, face a postura do chefe do Executivo, passaram a ser cada vez mais plausíveis, iminentes.

    O Centrão se ajusta, mas é o que é. Bolsonaro gosta de lealdade canina, mas os gatos, com se sabe, não são cães, são gatos.

    Agora, é ver no que vai dar!

    Por Genésio Araújo Jr, jornalista.

    E-mail: [email protected]