• Cadastre-se
  • Equipe
  • Contato Brasil, 18 de outubro de 2021 01:32:27
Humberto Azevedo
  • 26/01/2021 20h44

    Oposicionistas apresentam nesta quarta pedido de número 64 de mais um impeachment contra Bolsonaro

    Justificativa do novo pedido tem como base o colapso na saúde em Manaus (AM), onde pessoas morreram por falta de oxigênio

    Levantamento on line aponta que até o momento apenas 112 deputados se manifestaram a favor do impeachment de Bolsonaro contra 42 que querem mantê-lo como presidente

    Nesta quarta-feira, 27, os líderes e presidentes dos partidos que compõem o bloco de oposição ao governo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) na Câmara dos Deputados, formado por PT, PSB, PDT, PSOL, PCdoB e Rede Sustentabilidade apresentarão, em conjunto, um novo pedido de impeachment.

    Esse será o pedido de número 64. Até o momento apenas um foi analisado pelo ainda presidente da Câmara, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ), que decidiu pelo arquivamento. Os demais aguardam avaliação. Como a gestão de Maia vai até 31 de janeiro, o próximo presidente daquela Casa legislativa, que disputam o cargo, na eleição do dia 1º de fevereiro, terão como missão avaliá-los. A disputa pelo comando da Câmara está acirrada entre os deputados Arthur Lira (PP-AL) e Baleia Rossi (MDB-SP).

    A justificativa dos oposicionistas, desta vez, tem como base a tragédia ocorrida em Manaus (AM), em que centenas de pessoas, entre elas, pacientes diagnosticadas de covid-19 e até bebês recém-nascidos prematuramente, foram mortos por asfixia devido à falta de oxigênio nos hospitais da região. Um ato a partir das 15 horas será realizado no Salão Negro do Congresso Nacional marcará a entrega do novo pedido.

    “Diante dessa situação catastrófica, a oposição, de forma unânime, não vê outra saída: para salvar vidas, Bolsonaro e sua política de morte precisam ser impedidos! Por isso, o 64º pedido de impeachment contra o atual governo tem a adesão inédita de todos os líderes que integram o bloco da minoria na Câmara e presidentes nacionais [destes] partidos. A presença de todos é aguardada para o ato simbólico de assinatura do protocolo, com declaração à imprensa e abertura para perguntas dos jornalistas”, comentou a líder do PCdoB, deputada Perpétua Almeida (AC).