• Cadastre-se
  • Equipe
  • Contato Brasil, 18 de outubro de 2021 01:29:35
Humberto Azevedo
  • 12/01/2021 21h49

    Líder do PT no Senado diz que saída da Ford do Brasil aponta que país não pode “tolerar um fracassado na presidência”, diz sobre Bolsonaro

    Aliado do presidente brasileiro, o deputado fluminense Otoni de Paula afirma que saída da Ford é por que Bolsonaro “deu um basta” a farra fiscal e de “propinas” que as grandes empresas estavam acostumadas com governos anteriores

    Enquanto Bolsonaro e bolsonaristas reclamam da decisão da Ford, presidente argentino Alberto Fernandez comemora

    O Líder do PT no Senado, senador Rogério Carvalho (SE), afirmiou nesta terça-feira, 12, que a saída da empresa automobilística Ford do Brasil aponta que o país não pode mais “tolerar um fracassado na presidência” da República. Segundo o petista, o encerramento das atividades da Ford no território brasileiro aconteceu devido a falta de uma política econômica de desenvolvimento nacional.

    Já o aliado do presidente brasileiro, o deputado Otoni de Paula (PSC-RJ) afirma que saída da Ford ocorreu por que o presidente Jair Bolsonaro “deu um basta” a farra fiscal e de “propinas” que as grandes empresas estavam acostumadas em tratar com os governos anteriores. Ambos fizeram suas afirmações no ambiente digital e nos seus perfis junto ao twitter.

    “Perder 5 mil empregos no Brasil e ver que a Ford anunciou um investimento de R$ 3 bilhões na Argentina, é perceber que não dá mais para tolerar um fracassado na presidência que não enxerga que precisamos de uma proposta econômica efetiva que garanta emprego e renda para o Brasil”, lamentou o petista sergipano.

    “A Ford pegou R$ 335 milhões do nosso dinheiro em empréstimos do BNDES, justamente para a manutenção de empregos. Segundo investigações da Lava Jato, durante o governo do PT a montadora pagou propina para prorrogar incentivos fiscais e agora começou a pressionar o governo Bolsonaro para mais incentivos fiscais, além do dinheiro já liberado pelo BNDES. Entendeu como as coisas sempre funcionaram no Brasil para as grandes empresas? A base da propina, empréstimos de dinheiro público e nada de cobrança de impostos. Bolsonaro deu um basta!”, respondeu o aliado do presidente brasileiro.