• Cadastre-se
  • Equipe
  • Contato Brasil, 22 de fevereiro de 2018 04:19:14
Misto Brasília - Por Gilmar Correa
  • 05/02/2018 16h50

    Patina a corrida ao Buriti

    Há três pré-candidatos confirmados ao governo distrital, mas há muita conversa para coligações

    Há muitos nomes, mas poucos confirmados na corrida ao Palácio do Buriti/Arquivo/Divulgação/GDF

    O cenário político para a corrida ao Palácio do Buriti continua ainda confuso. Os únicos pré-candidatos confirmados são o próprio governador Rodrigo Rollemberg (PSB), o médico Jofran Frejat (PR) e o empresário Alexandre Guerra (Novo).

    O governador deve se encontrar hoje (05) com o governador de São Paulo e pré-candidato à Presidência pelo PSDB, Geraldo Alckmin. Definida esta aliança, é quase certo que a secretária e ex-governadora Maria Abadia (PSDB)busque uma das duas vagas ao Senado Federal a partir de uma dobradinha com Rollemberg.

    O Partido dos Trabalhadores, principal partido de oposição a Rollemberg, lançou no sábado (03) o nome do economista e bancário Afonso Magalhães. Todavia, a pré-candidatura para ser confirmada depende de um “amplo debate” entre os petistas marcado para o próximo dia 17. O principal cabo eleitoral, Lula da Silva, deverá ser impedido de concorrer à Presidência e o ex-governador Agnelo Queiroz virou "ficha suja", o que prejudica uma candidatura do PT.

    O ex-secretário da Saúde, Jofran Frejat, está em campanha aberta, mas tem dificuldades para consolidar um amplo acordo com partidos como o MDB, que retirou no final de semana a candidatura do advogado Ibaneis Rocha. Seu nome não teve o consenso no partido e diante da confusão, prefere concorrer a uma vaga ao Conselho Federal da OAB. Uma aliança ampliada dará mais tempo para Frejar nos horários obrigatórios de rádio e televisão.

    Os deputados Alberto Fraga (Dem) e Izalci Lucas (PSDB), além de Alírio Neto (PTB), correm por fora para se habilitar ao Buriti. Izalci está crente que pode ainda ser candidato, enquanto Alberto Fraga já pensa numa alternativa, como concorrer ao Senado Federal.

    Há indefinição no grupo também do senador Cristovam Buarque (PPS), antigo aliado do Rollemberg. O presidente da Câmara Legislativa, deputado distrital Joe Valle (PDT) sonha em ser o candidato de consenso do PPS, do seu próprio partido, e até mesmo do PSD, do deputado Rogério Rosso.

    Partidos nanicos, como o Podemos, também imaginam ter concorrentes. Neste caso seria a ex-deputada distrital Eliana Pedrosa. O Podemos tem como candidato à Presidência da República o senador Álvaro Dias (PR), que não tem expressão nas pesquisas eleitorais.

    Nem mesmo o PSol fechou o seu candidato. A diretora da Faculdade de Saúde da Universidade de Brasília (UnB), Fátima Souza, pode ser confirmada no dia 24. Até lá, tenta-se uma costura de apoio que envolvem partidos como PSTU, Rede e PCdoB. Estes dois últimos tem pré-candidatos à Presidência: Marina Silva, pela Rede, e Manuela D´Ávila, pelos comunistas.

    Há também o PSC, PHS e PPL que pretendem ter candidatos à Câmara Legislativa e uma aliança majoritária poderia ajudar neste projeto. Mas se estes partidos não têm candidatos ao Buriti, não se pode dizer o mesmo do Partido Novo, que confirmou a pré-candidatura do herdeiro do Grupo Giraffas, Alexandre Guerra. O Partido Novo tem como candidato a presidente da República, o economista João Amoêdo.