• Cadastre-se
  • Equipe
  • Contato Brasil, 25 de abril de 2024 05:49:56
Em Tempo Real
  • 21/02/2024 06h32

    Estados Unidos vetam resolução de cessar fogo proposta pela Argêlia alegando que prepara proposta que além de garantir cessar fogo condena o Hamas

    Veja mais
    Foto: UN Photo/Eskinder Debebe

    A embaixadora Linda Thomas-Greenfield, dos Estados Unidos, vota contra o projeto de resolução na reunião do Conselho de Segurança da ONU sobre a situação no Oriente Médio, incluindo a questão palestina.

    ( Publicada originalmente às 12h 08 do dia 20/02/2024)

    (Brasília-DF, 21/02/2024)  Nesta terça-feira, 20, em sessão do Conselho de Segurança da ONU foi rejeitada uma proposta de resolução da Argélia que buscava um cessar-fogo na Faixa de Gaza. 0 texto não foi adotado devido ao veto dos Estados Unidos, membro permanente do órgão. 13 nações votaram a favor do texto apresentado pela Argélia; Reino Unido optou por abstenção. Dos 15 países no Conselho de Segurança, o Reino Unido optou por abstenção e os EUA votaram.

    Diplomacia americana vetou resolução pela terceira vez e argumenta que trabalha em proposta alternativa que permitiria continuação de negociações para liberação de reféns, além de incluir pedido de cessar-fogo temporário e condenação do Hamas.

    Cessar-fogo

    A resolução pedia um "cessar-fogo humanitário imediato, a ser respeitado por todas as partes" e reafirmava o compromisso com a proteção dos civis conforme estipulado pelo direito internacional.

    Para adotar uma resolução, o Conselho de Segurança precisa de pelo menos nove votos e nenhum veto dos cinco membros permanentes: Estados Unidos, China, Rússia, França e Reino Unido.

    Desde o início da elaboração do texto pela Argélia, havia relatos apontado para a possibilidade de veto dos Estados Unidos. A previsão também foi mencionada em agências de notícias ao longo das semanas de negociações, em relação a versões anteriores da proposta.

    O país deve apresentar uma outra proposta, que incluiria um cessar-fogo temporário com base na liberação de todos os reféns e a condenar do Hamas. Esta seria a primeira vez que o país apoiaria um cessar-fogo temporário em Gaza.

    Para embaixadora dos Estados Unidos, Linda Thomas-Greenfield, o texto em votação não traria uma paz duradoura e prolongaria o cativeiro dos reféns e a crise humanitária.

    Consenso no Conselho de Segurança

    Com o voto dos Estados Unidos, a Assembleia Geral deve ter uma sessão especial de emergência por meio de um mecanismo criado para examinar o uso do veto.

    O Conselho realizou diversas reuniões sobre a guerra em Gaza, incluindo um debate aberto no final de janeiro, com mais de 70 Estados-membros da ONU expressando sérias preocupações sobre a catástrofe humanitária em andamento.

    Muitos pediram ao Conselho de Segurança que "trabalhasse mais" para acabar com a guerra, que começou em outubro, quando Israel invadiu o enclave em resposta aos ataques do Hamas, que deixaram 1,2 mil mortos e 240 reféns. Até o momento, quase 30 mil palestinos foram mortos, de acordo com as autoridades de saúde locais.

    (da redação com ONU News. Edição: Genésio Araújo Jr.)

     

     

     

     


Vídeos
publicidade