• Cadastre-se
  • Equipe
  • Contato Brasil, 14 de novembro de 2019 01:27:31
publicidade


Nordestinas
  • 17/10/2019 08h47

    BANCADA DO NORDESTE: Juscelino Filho afirma que governo Bolsonaro não se interessa em viabilizar uma política habitacional para o país

    Coordenador da bancada maranhense, o deputado do DEM lamentou que o esforço que o parlamento fez para garantir R$ 1 bilhão para executar o PNHR foi em vão
    Foto: Barbosa, especial para a Política Real

    Juscelino Filho fez críticas duras a Caixa e a política habitacional do Governo Bolsonaro

    ( Publicada originalmente às 20h 40 do dia 16/10/2019) 

    (Brasília-DF, 17/10/2019) O deputado Juscelino Filho (DEM-MA) afirmou nesta quarta-feira, 16, que o governo do presidente Jair Bolsonaro (PSL( não se interessa em viabilizar uma política habitacional para o país com a finalidade de garantir emprego e renda para a população.

    A declaração do parlamentar do Democrata maranhense aconteceu durante o café da manhã oferecido nesta quarta-feira,16, pela Bancada do Nordeste que recebeu o presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães.

    Na oportunidade, o coordenador da bancada federal do Maranhão lamentou que o esforço que o parlamento fez para garantir a soma de R$ 1 bilhão para a execução do Plano Nacional de Habitação Rural (PNHR) foi em vão. Segundo ele, o governo não demonstrou “nenhum interesse” e não dá nenhuma satisfação.

    “A nossa preocupação, aqui, de todos os parlamentares e desta Casa é em relação a faixa 1 [de um salário-mínimo do programa Minha Casa, Minha Vida] e ao PNHR. Porque é com relação a nossa política habitacional. Porque nós estamos aí, prestes a encerrar o primeiro ano de governo e nós, ainda, não ouvimos do governo e, aqui, não estou falando da Caixa – porque a Caixa ela é operacional, eu estou falado do governo, do Ministério do Desenvolvimento Regional, a secretaria nacional de Habitação e ao presidente da República”, comentou.

    “Nós nunca ouvimos o governo falar de política habitacional nesse primeiro ano de governo. Então, ele não disse se vai continuar a faixa 1, o PNHR, se vamos ter novas portarias, ou não vamos. Se vai ter um novo programa. Qual vai ser o nome e como vai ser. Até o momento está se administrando para trás. Não tem nada de novo para frente. Nunca sinalizaram nada. E, assim, essa Casa tem que começar a se posicionar e a cobrar isso do governo uma posição sobre a nossa política habitacional para frente porque ainda vivemos, principalmente, a nossa região Nordeste carente de habitação”, complementou.

    Mais críticas

    Juscelino Filho reforçou crítica à inanição por parte do atual governo federal em executar uma política habitacional.

    “O PNHR sofreu, eu digo, quase um golpe a cerca de um mês, ou dois meses, atrás com o Ministério [deixando] vencer a portaria e não tratou. Nós passamos um ano nessa expectativa, o deputado Hildo Rocha (MDB-MA) aqui trabalhou junto conosco, para essa portaria atender 20 mil famílias, ou mais, na região Nordeste e, em março, o ministro prorrogou até agosto, dizendo que iria contratar. Nós viabilizamos o recurso de R$ 1 bilhão aqui na Comissão de Orçamento e ficou acordado junto a líder do governo a contratação da portaria do PNHR e quando chegou no mês passado deixaram a portaria vencer e nem uma satisfação deram”, esbravejou.

    “A gente foi atrás, falaram e inventaram uma desculpa [qualquer] para poder, enfim, não é interesse do governo a contratação, como agora o governo não se manifestou interesse nenhum na política habitacional. E nós sabemos da importância da política habitacional no faixa 1, ou no PNHR, para a nossa economia, para a geração de emprego, como bem pontuou aqui o deputado Wilson Santiago do quando essa política habitacional gera de emprego e o que é que mais falta no nosso país hoje”, encerrou.

    (por Humberto Azevedo, especial para Agência Política Real, com edição de Genésio Jr.)