• Cadastre-se
  • Equipe
  • Contato Brasil, 14 de novembro de 2019 01:21:56
publicidade


Nordestinas
  • 17/10/2019 08h40

    CRISE NOS PARTIDOS: Julian Lemos, falando pelo PSL, pediu que Bolsonaro se reconcilie com o PSL e “volte ao primeiro amor”; ele fez duras críticas aos então advogados do PSL

    Veja a íntegra da fala de Julian Lemos
    Foto: Imagem de streaming de vídeo do Instagram

    Julian Lemos faz críticas e pede que Bolsonaro volte ao antigo amor com o partido

    ( Publicada originalmente às 20h 50 do dia 16/10/2019) 

    (Brasília-DF, 17/10/2019)  O deputado Julian Lemos(PSL-PB), falando em nome do PSL,  disse que a agremiação estava exposta a “inábeis movimentações políticas”.   Ele disse que faria um “desabafo”. Desafiou e criticou os então advogados do partidos, Admar Gonzaga e Karina Bufa. Ele disse que os deputados do partido estão todo com Bolsonaro ,mas fez cobrança de que volte o “antigo amor”.

    “Eu preciso, meu Presidente, que você volte ao primeiro amor — ao primeiro amor, que nos conduziu àquela linda e brilhante luta a favor de mudarmos este Brasil. Você foi eleito em uma emoção extraordinária.”, disse, quase ao final de sua fala.

    Ele fez um pedido ao Presidemte, que ele não aceitasse pressão numa referência implícita aos então advogados do partido.   “Não caia, Presidente, sob hipótese nenhuma, na pressão de quem quer que seja, quanto mais desses dois agiotas que estão do seu lado.”

    DESAFIO

    Julian Lemos que chegou a ser coordenador da campanha presidencial de Jair Bolsonaro no Nordeste desafiou o advogado Admar Gonzaga e Karina Bufa.

    “Advogado Admar, se você não provar em 24 horas o que falou a respeito do meu Estado da Paraíba, você será processado — processado pela sua malícia, pelo seu veneno. E você verá que de onde eu vim honra deve ser preservada até com a vida. Você não é advogado. Você é um agiota, você provoca uma crise levando o nosso Presidente a equívocos, assim como a Dra. Karina.”, disse para continuar em seu enfrentamento, falando como líder.

    Ele cobrou que Karina Bufa devolva R$ 300 mil que teriam sido usado por ela e pertenceriam ao PSL.

    “E você, Dra. Karina, procure devolver os 300 mil reais que usou do partido — os 200 mil, que antes do cancelamento do partido você colocou no bolso e não devolveu, e os 100 mil que recebeu para defender a nossa Senadora e nem sequer compareceu à audiência. Você nos respeite, porque somos Parlamentares e falamos em nome do povo brasileiro. Você fala em nome de quem? Talvez em nome dos seus interesses.”, disse.

    Veja a íntegra da fala de Julian Lemos:

    O SR. JULIAN LEMOS (PSL - PB. Como Líder. Sem revisão do orador.) - Sr. Presidente, caros colegas, tomo esta tribuna agora, primeiramente, para dar uma satisfação aos brasileiros, particularmente ao eleitorado que nos confiou este mandato, que acreditou e votou na legenda do PSL para ajudar o nosso Presidente Jair Bolsonaro chegar onde chegou.

    Confesso que, nos últimos dias, ficamos expostos a inábeis — posso assim dizer — movimentações políticas, deslizes de alguns, mas o que de fato interessa ao povo brasileiro não são as contendas, as divisões, porque isso não vai levar a nada. Mas, em nome do respeito a esses eleitores, venho aqui, em nome do PSL, dizer o seguinte: o PSL, de fato, será preservado por aqueles que acreditam que ele é mais do que um partido; ele é uma ferramenta de governabilidade do nosso Presidente Jair Bolsonaro.

    Aqueles que apostam na derrota, na confusão — e isso depende muito mais, posso dizer, de um esforço de todos nós —, ficarão frustrados, porque o PSL nunca teve tanta unidade e consistência como hoje.

    E quero dizer ao meu Presidente Jair Bolsonaro: Presidente, sem exceção, os 53 Deputados do partido estão aqui para honrar V.Exa., não para ser apenas a sua base, mas para ser Governo, como temos sido em mais de 98% das decisões de V.Exa. a favor do Brasil. Mas quero dizer que acontecem equívocos, e esses equívocos ferem os seus soldados — e essas feridas são praticamente chagas mortais. Por exemplo: no decorrer da semana, pessoas que cercam V.Exa., não tenho dúvida, jogaram na mídia uma suposta lista de traidores, na qual — entre aspas — "eu me incluí". Essa lista — graças a Deus! —, em menos de 24 horas, foi desmentida por V.Exa., em prol, mais uma vez, da estabilidade política de seu partido. E quando digo que é seu partido, assim o faço porque a própria essência desse partido pertence a V.Exa.

    Mas, como não bastasse, venho aqui fazer um desabafo e quero que todos os meus colegas compreendam como é, muitas vezes, complicado o poder. O nosso Presidente, ainda que bem-intencionado, muitas vezes é pessimamente assessorado.

    Eu quero trazer aqui esse fato e essa constatação ao seu advogado, o Admar Gonzaga. Esse advogado oportunista, caluniador, mentiroso, que tem seus interesses talvez contrariados, passou a atacar de forma covarde alguns Deputados e — por que não dizer? — o PSL, essa ferramenta de governabilidade, dizendo que em alguns Estados, através dos seus diretórios estaduais, alguns presidentes negociaram ou venderam legendas.

    Advogado Admar, se você não provar em 24 horas o que falou a respeito do meu Estado da Paraíba, você será processado — processado pela sua malícia, pelo seu veneno. E você verá que de onde eu vim honra deve ser preservada até com a vida. Você não é advogado. Você é um agiota, você provoca uma crise levando o nosso Presidente a equívocos, assim como a Dra. Karina.

    E você, Dra. Karina, procure devolver os 300 mil reais que usou do partido — os 200 mil, que antes do cancelamento do partido você colocou no bolso e não devolveu, e os 100 mil que recebeu para defender a nossa Senadora e nem sequer compareceu à audiência. Você nos respeite, porque somos Parlamentares e falamos em nome do povo brasileiro. Você fala em nome de quem? Talvez em nome dos seus interesses.

    Vocês estão levando o Presidente a crises dentro do partido. Vocês nos respeitem, porque somos um partido com legitimidade e sobretudo com moral. Aqueles contratos que você levou e não foram aceitos dentro do partido talvez tenham lhe contrariado, talvez tenham contrariado os seus interesses — aquele contratozinho de 1 milhão de reais, que foi rejeitado, e aqueles outros que somavam quase 500 mil reais. Você não tem moral para apontar para os Parlamentares do PSL.

    Eu aqui, mais uma vez, o desafio, Dr. Admar. O senhor tem até amanhã para provar as acusações que fez não só a mim, mas a todos os meus colegas. Do contrário, ficará desmoralizado. Eu coloco aqui o meu mandato à disposição e renuncio se você achar uma única prova de que eu vendia legenda. Agora coloque a sua procuração de advogado do Presidente também aqui em xeque. Se você não provar, você é um advogado desmoralizado. Você respeite o PSL e respeite os Parlamentares. Você não tem sequer condição de ser conselheiro do Presidente Jair Bolsonaro.

    No mais, meu Presidente Jair Bolsonaro, você me conhece. Não sou apenas um Deputado do PSL. Eu sou seu amigo pessoal, e você me conhece. Por você eu vou lutar qualquer guerra possível a favor deste País. Mas eu preciso que você me ajude a ajudá-lo, assim como todos os nossos Parlamentares do partido, que o amam e estão cientes da missão que você tem. E nós também estamos cientes da missão que temos a favor do Brasil. O Deus que o colocou aí no Palácio do Planalto, Jair Bolsonaro, é o mesmo Deus que nos colocou aqui. E esses homens aqui estão sangrando pelo meio do caminho esperando apenas que você os reconheça como seus verdadeiros amigos, companheiros de grande jornada.

    Não irei aceitar, não vou ser humilhado, não sou subserviente a ninguém. A minha honra está acima de tudo — só não está acima de Deus. Eu preciso, meu Presidente, que você volte ao primeiro amor — ao primeiro amor, que nos conduziu àquela linda e brilhante luta a favor de mudarmos este Brasil. Você foi eleito em uma emoção extraordinária. (Palmas.)

    Não caia, Presidente, sob hipótese nenhuma, na pressão de quem quer que seja, quanto mais desses dois agiotas que estão do seu lado.

    Eu exijo respeito. Você tem o meu respeito, Jair Bolsonaro, você tem a minha amizade, que é a maior honra que um ser humano pode ter. O próprio Jesus Cristo dizia aos seus apóstolos: "Não lhes chamo de servos, mas lhes chamo de amigos." Eu lhe chamo de amigo, Presidente. E me chame de amigo também, porque estamos aqui para lutar a luta que você quiser. Agora nos respeite, porque estamos em cima de uma mesma trincheira a favor do Brasil.

    Muito obrigado.

    ( da redação com informação da taquigrafia da Câmara dos Deputados. Edição: Genésio Araújo Jr)