• Cadastre-se
  • Equipe
  • Contato Brasil, 14 de novembro de 2019 01:32:10
publicidade


Nordestinas
  • 17/10/2019 08h12

    BANCADA DO NORDESTE : Falando ao nordestinos, Pedro Guimarães, promete que Caixa apresentará “grande anúncio” em um mês; Presidente da Caixa disse, também, que banco não será privatizado

    Dirigente financeiro da estatal destacou que Norte e Nordeste passarão a ser as grandes prioridades da Caixa; crédito agrícola do banco saltará de R$ 4 bi para mais de R$ 30 bilhões
    Foto: Barbosa, especial para a Política Real

    Pedro Guimarães, ao lado de Júlio César, coordenador da bancada nordestina

    ( Publicada originalmente às 13h 12 do dia 16/10/2019) 

    (Brasília-DF, 17/10/2019) O presidente da Caixa Econômica Federal(CAIXA), Pedro Guimarães, afirmou na manhã desta quarta-feira, 16, que fará um “grande anúncio” em mais ou menos um mês, oportunidade em que será reveladas novas ações do banco. Ele refutou também as chances de que a Caixa possa vir a ser privatizada.

    A afirmação foi reaizada durante o já tradicional café da manhã que a Bancada do Nordeste promoveu hoje, 16, para ouvir do dirigente da estatal sobre as ações que a Caixa está implementando, ou pretende implementar, na região Nordeste.

    “[Quero deixar] bem claro a determinação do presidente da República de que não há discussão de privatização da Caixa. A determinação do meu chefe, ministro Paulo Guedes, que tenho o orgulho muito grande de ampliar a qualidade de governança da Caixa Econômica Federal e fazer com que esse lucro recorde volte para a sociedade”, falou.

    “Então nós temos o dobro do lucro de 2.017, 25% maior, e eu estou conversando com vocês – de primeira mão – que faremos um anúncio histórico daqui a um mês quando a gente anunciar o resultado da Caixa. Vai ser um anúncio histórico. Vamos anunciar um bom resultado, mas vamos anunciar algo que nunca foi anunciado no Brasil. Então, vai ser algo histórico”, complementou.

    Atenção ao Norte e Nordeste

    Na oportunidade, Pedro Guimarães afirmou, ainda, que as ações voltadas para atender às regiões Norte e Nordeste são, agora, as grandes prioridades da instituição.

    “Só para demonstrar a relevância das regiões Norte e Nordeste para a Caixa Econômica Federal, que é o banco de todos os brasileiros, mas em especial das regiões mais carentes, existe uma determinação da Sest (Secretaria de Coordenação e Governança das Empresas Estatais), que faz parte do Ministério da Economia, em não aumentar o número de vice-presidências – que são 12, nem o número de diretorias – que são 22, e nem o número de superintendências – que são 84”, comentou.

    “E o que aconteceu? No campo da matemática fizemos um monte de cálculo e transferimos três superintendências, duas de São Paulo e uma de Minas Gerais, para a região Nordeste, uma em Pernambuco, uma na Paraíba e outra no Maranhão. Então isso é uma demonstração clara da importância que tem o Norte e o Nordeste. Acho muito importante reforçar isso, porque eu sou do Rio de Janeiro, e nessas viagens pelo Brasil, eu não imaginava o nível de pobreza da região Norte e claramente o nível da pobreza que se tem no interior do Nordeste é equiparada ao da região Norte”, completou.

    Apoio ao agronegócio

    Segundo ele, o crédito agrícola que nunca foi o forte da Caixa passa a ser a partir de agora o novo foco da empresa. Atualmente, o valor destinado para as carteiras de empréstimo no setor rural que hoje se encontram na faixa dos R$ 4 bilhões serão de, aproximadamente ,mais de R$ 30 bi até 2.022.

    “A questão agrícola é um foco para a Caixa, mas é um foco onde? Nas regiões em desenvolvimento e o Nordeste tem várias delas e em investimentos em longo prazo. O que estou falando? A parte de silos e a parte de beneficiamento. Então nós faremos investimentos de 15 a 20 anos com garantia real. Isso não existe no mercado. A parte agrícola temos um enorme interesse. Já estamos discutindo isso”, acrescentou.

    Redução dos juros

    O dirigente da Caixa disse, também, que já está atuando para reduzir as taxas de juros e tarifas cobradas pelo banco. Ele destacou que a taxa de juros para as pessoas carentes já caiu de 14% para até 08%, ao mês. Na modalidade cheque-especial, Guimarães diz que taxa de juros já caiu 40%.

    “A Caixa já reduziu crédito para as pessoas carentes em níveis que não acontecem no Brasil. Cheque-especial, nós já reduzimos 40%. De 14% para 08%, ao mês, que ainda é muito caro, mas se for ver nossos bancos comparados, eles estão em 13% a 14% e a gente está em 08% e daqui a um mês a gente vai anunciar o nosso resultado, e no dia do anúncio, a gente vai fazer um outro anúncio com relação a taxa de juros”, prometeu.

    “Além disso, nós também reduzimos o do crédito pessoal que chega a 2,5% a 03%. Ou seja, o cheque-especial é junto com o cartão de crédito, no rotativo, as duas taxas mais altas. Nós já reduzimos 40%. Estamos satisfeitos? Não! Então daqui a um mês anunciaremos o resultado da Caixa, e com estes resultados recordes que estamos tendo, o nosso objetivo é devolver para a sociedade”, prometeu novamente.

    Patrocínio para eventos regionais

    Por fim, o presidente da Caixa ao comentar o fim dos patrocínios aos grandes eventos nacionais como os jogos do futebol brasileiro e dos clubes, enfatizou que agora os patrocínios do banco acontecerão aos importantes eventos regionais como as festas juninas do Nordeste, dentre outros.

    “Um outro ponto é que a Caixa deixou de patrocinar eventos muito grandes como os jogos de futebol com eventos realmente fora do foco da população da Caixa e, no Nordeste, por exemplo, nas minhas idas, inclusive, tanto Petrolina (PE), como Campina Grande, eu fiquei impressionado com a dança de quadrilha que era uma [outra] realidade, quando eu tinha 8 anos no Rio de Janeiro, que eu lembrava o que eu dançava”, comentou.

    “Quando fui ver, é outra coisa. Então, a Caixa vai ser o banco que vai patrocinar em todo o Brasil. Porque eu imaginava que tinha em um, ou dois estados, e a gente aprendeu que em todos os estados do Nordeste tem. E o que a gente não quer fazer? O patrocínio um mês antes da festa apenas. Nós queremos já realizar essa discussão desde agora”, encerrou.

    (por Humberto Azevedo, especial para Agência Política Real, com edição de Genésio Jr.)