• Cadastre-se
  • Equipe
  • Contato Brasil, 14 de novembro de 2019 01:57:02
publicidade


Nordestinas
  • 19/09/2019 07h00

    COMENTÁRIO DO DIA: A vigilância democrática

    Ouça o comentário da Política Real
    Foto: O cafezinho

    Quem vigia os vigilantes?!

    ( Publicada originalmente às 09h 22 do dia 18/09/2019) 

    (Brasília-DF, 19/09/2019) O Presidente Bolsonaro, nessa terça-feira, mesmo ainda meia bomba fez pequeno ato para promulgar uma lei do Congresso e não dele para liberar o uso das armas nas fazendas.  Ufa!

    Raquel Dodge se despediu do cargo e fez das suas no caso Mariele.  Ela fez balanço e deu destaque para meio ambiente e direitos humanos, não por acaso assuntos que incomodam o Planalto, mas não decidiu o que a oposição queria!

    Na Câmara, não teve nada de mais. No Supremo, o ministro Alexandre de Moraes finalmente decidiu sobre a divisão dos recursos resgatados pela Lava Jato do que foi desviado da Petrobras nos Estados Unidos.

    Agora o grande assunto no Senado foi a reforma eleitoral....

    OUÇA AQUI

    LEIA AQUI

    COMENTÁRIO

    Um dos resultados da gravíssima  crise política, econômica e moral que nos atingiu a partir de 2015  foi a decisão controversa de apostarmos no financiamento público integral de campanhas eleitorais.

    O brasileiro, a contragosto, é verdade, decidiu retirar dinheiro da educação, segurança e saúde para montar um fundo eleitoral. O brasileiro não tem o hábito de dar dinheiro para os políicos com doações. Enfim, a democracia tem um preço.

    O Brasil tem uma das eleições mais judicializadas do planeta. Você vai dizer: mas com tanto político ladrão tinha que ser assim mesmo! Achamos que nossos políticos não prestam, mas você esquece que as eleições em países africanos, do leste europeu e da Ásia não são uma perfeição em flor e não se fala de tanta judicialização.por lá.

    Os políticos, especialmente na Câmara, depois que o Presidente Bolsonaro começou a fazer confusão com tudo, começaram a ganhar mais prestígido, apontavam pesquisas de opinião, mas bastou terem uma folga aprovaram um reforma eleitoral, segundo todos os especialistasas em transparência e contas públicas, que era um retrocesso grave.

    O senador Davi Alcolumbre, presidente do Senado, pode até negar mas estava disposto a aprovar a nova lei vinda da Câmara de qualquer forma,  mas a turma que ele escantiou na CPI da Lava Toga lhe enquadrou com apoio de líderes de esquerda, também.

    É velho, mas o preço da democracia é a eterna vigilância.

    Foi Genésio Araújo Jr, de Brasilia  

     

    ( da redação)