• Cadastre-se
  • Equipe
  • Contato Brasil, 16 de julho de 2019 23:33:56
Nordestinas
  • 10/07/2019 07h40

    PREVIDÊNCIA: “Vamos ver se o governo tem alguma preocupação [em acabar] com os privilégios, ou se vai continuar dando este presente de R$ 83 bilhões aos que exportam”, provoca líder da oposição

    O deputado Alessandro Molon duvida que os governistas tenham o apoio de 330 deputados para aprovar o projeto que reforma à Previdência
    Foto: arquivo Política Real

    Alessandro Molon duvida que governo tenha 330 votos

    ( Publicada oriinalmente às 15h 23 do dia 09/07/2019) 

    (Brasília-DF, 10/07/2019) Ao criticar o relatório do deputado Samuel Moreira (PSDB-SP) à Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 06/19 que reforma o sistema previdenciário, o líder da oposição na Câmara, deputado Alessandro Molon (PSB-RJ), questionou se o projeto encaminhado pelo governo do presidente Jair Bolsonaro (PSL) tem como meta acabar com os privilégios.

    Para embasar a sua crítica, o socialista fluminense apontou a inclusão na proposta que concede isenção da contribuição previdenciária aos exportadores. Segundo ele, este dispositivo retirará R$ 83 bilhões dos cofres do Previdência Social. Ele duvidou, ainda, da informação trazida pelos governistas de que já são contabilizados o apoio de 330 deputados favoráveis ao parecer do tucano paulista.

    “Vamos ver se o governo tem alguma preocupação [em acabar] com os privilégios, ou se o governo vai continuar dando este presente de R$ 83 bilhões aos ruralistas que exportam, enquanto impõe um sacrifício enorme a professores e policiais com quais pretende fazer uma economia de um quarto deste valor. Ou seja, R$ 20 bilhões em dez anos”, falou Molon.

    “A nossa obstrução tem por objetivo usar o tempo para debater e virar votos contra a proposta. A nossa percepção, até o momento, é que o governo não tem os votos que diz ter. o governo blefa quando diz ter mais 330 votos. A nossa percepção é que o governo não tem sequer 300 votos para aprovar a matéria”, complementou.

    MADRUGADA

    De acordo com o líder oposicionista, é possível que a votação do relatório que reforma a Previdência comece apenas na madrugada desta próxima quarta-feira, 10. Visto que os parlamentares da oposição vão obstruir e postergar ao máximo a deliberação da matéria.

    “Nós vamos apresentar todos os requerimentos que podemos e vamos ver se o governo consegue garantir a presença da sua base e também do efeito dos nossos argumentos sobre a sua base. No nosso entendimento a obstrução vai longe e a gente vai virar muitos votos ao longo dela”, completou

    (por Humberto Azevedo, especial para Agência Política Real, com edição de Genésio Jr.)