• Cadastre-se
  • Equipe
  • Contato Brasil, 20 de junho de 2018 00:46:25
Nordestinas
  • 12/06/2018 08h00

    Bahia é o que mais coloca recursos em “inteligência”; MA, PI, RN e Sergipe não informam o que gastam nessa área da segurança pública

    Alagoas, Ceará, Pernambuco e Paraíba têm custos com “inteligência”
    Foto: imagem Política Real

    Documento "Custos da Criminalidade no Brasil" foi analisado pela Politica Real

    ( Publicada originalmente às 21h08 do dia 11/06/2018) 

     

    (Brasília-DF, 12/06/2018) O documento “Custos Econômicos da Criminalidade no Brasil” na análise regional, focada em Nordeste, mostrou que o estado que vem tendo mais custos com “informação e inteligência” no compomente segurança pública de seu orçamento é a Bahia.   Por outro lado, estados como Maranhão, Piauí, Rio Grande do Norte e Sergipe não informam se colocam no orçamento custos com "inteligência", uma das mais importantes "armas"  contra a criminalidade, segundo especialistas.

    O documento destaca em sua página 47 que os estados que mais colocam recursos em “inteligência” são os que obtém melhores índices na redução da criminalidade.  O documento ressalta Roraima e São Paulo.  O estudo destaca que nem todos os estados deixam claro investimento nessa área de segurança pública.

    “Existe uma variação na eficiência das políticas de segurança de distintos entes da federação. Comparações de orçamentos estaduais são problemáticas, porque a metodologia de alocação das dotações orçamentárias em cada subfunção muitas vezes em cada UF e nem todas as subfunções são reportadas ao Governo Federal. Sem embargo é importante  notar que , entre aqueles estados que reportam gastos com “informação e inteligência” aos sistema consolidação dos orçamentos estaduais do Ministério da Fazenda , os dois estados que dedicam uam fração de seu orçamento muito acima da média nacional – notamente Roraima e São Paulo, - são aqueles que observaram uma importante queda na taxas de homicídio na maioria de suas microrregiões no período 2005-2015”, diz o documento.

    ( da redação com informações da SAE. Edição: Genésio Araújo Jr)