• Cadastre-se
  • Equipe
  • Contato Brasil, 22 de julho de 2018 12:54:13
Nordestinas
  • 21/12/2017 08h00

    "Esperei quase 17 anos pela justiça”, diz Paulinho da Força sobre decisão do Supremo, que arquivou inquérito

    Presidente nacional do partido Solidariedade lembra que ação foi aberta em 2010, a partir de investigação iniciada em 2001
    Foto: site G1

    Paulinho da Força escapa de abertura de inquérito

    ( Publicada originalmente às 12h 00 do dia 20/12/2017) 

     

    (Brasília-DF, 21/12/2017) O presidente nacional do partido Solidariedade (SD), deputado federal Paulo Pereira da Silva, o Paulinho da Força (SP), festejou a decisão do ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal (STF), que determinou o arquivamento do Inquérito 2905.

    O parlamentar lembra que trata de ação aberta em 2010,  a partir de investigação iniciada em 2001, que cumpriu uma série de diligências para apuração de suposto ilícito do qual ele era acusado.

    "Esperei quase 17 anos pela justiça, que chega agora depois de um inquérito longo e rigoroso", afirmou Paulinho da Força

    O deputado, que também é presidente nacional da central sindical “Força Sindical”, disse que comemorou o resultado do STF. “Fiquei muito feliz com o resultado, que repõe a verdade", frisou.

    Entenda o caso

    O caso que envolvia Paulinho da Força remetia à aquisição da Fazenda Poço das Três Antas, localizada no município de Itararé (SP), em que a central Força Sindical atuou no treinamento das famílias assentadas no referido imóvel, em programa realizado pelo Banco do Povo.

    Cumprida a instrução do inquérito, não se verificou nenhuma ilegalidade na conduta do deputado Paulo Pereira da Silva, razão pela qual o Ministério Público Federal, na pessoa da Procuradora-Geral da República, manifestou-se pelo arquivamento da investigação.

    Dessa maneira, o ministro Relator Luiz Fux acatou o parecer ministerial, determinando o arquivamento do feito, visto que não há como se imputar, na esfera penal, responsabilidade a Paulo Pereira da Silva por eventuais irregularidades ou desvios decorrentes da aquisição do imóvel.

    (Por Gil Maranhão. Agência Política Real, com informações da assessoria. Edição: Genésio Jr.)