• Cadastre-se
  • Equipe
  • Contato Brasil, 18 de outubro de 2017 09:04:25
publicidade


RESUMO DA ÓPERA - por Gil Maranhão
  • 14/02/2016 13h37

    Resumo da Ópera

    A semana nos bastidores de Brasília e adjacência

    ZICA ZERO

     

    Já teve o “Fome Zero”. Tem o refrigerante zero. A partir deste sábado (13) tem a campanha “Zica Zero” que o governo federal acaba de lançar. Um guia para eliminar os criadouros em sua casa, diz o folheto, apontando 19 dicas. E deixando o “Disque 136” do Ministério da Saúde.

     

    XÔ MOSQUITO

     

    Padres, pastores, presbíteros e rabinos resolveram se unir convocar seus fiéis para colocar em prática a palavra “Oração” (Orar + Ação). E tentarem expulsar um inimigo que está assuntando os cristãos brasileiros neste inicio de século: o pequeno, mas danadinho mosquito Aedes aegypt. Ele tem provocado estragos no País. E é o responsável pela proliferação da dengue, velha conhecida dos brasileiros de outros carnavais. E, agora, também, da febre chikungunya e da pestinha zika vírus. Essa convocação foi feita no lançamento da Campanha da Fraternidade Ecumênica, na quarta-feira de Cinzas (10), em Brasília.

     

    CASA COMUM

     

    O tema da CF 2016 - “Casa Comum, Nossa Responsabilidade”, alerta que o meio ambiente é (e deveria ser) preocupação de todos – governos (federal, estaduais e municipais) e da população.

     

    ESGOTAMENTO SANITÁRIO

     

    O foco da Confederação Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), representante dos católicos, e demais instituições representativas de outras denominações religiosas, é o saneamento básico. E, por tabela, mais investimento dos governos em esgotamento sanitário, saúde integral, qualidade de vida...Ou seja: dignidade humana.

     

    ABORTO & ZIKA

     

    No ato do lançamento da CF 2016, Dom Sergio da Rocha, presidente da CNBB, contestou quem propõe o aborto como medida preventiva ao vírus zika. “O aborto não é resposta para o vírus zika. Nós precisamos valorizar a vida em qualquer situação e qualquer condução que ela esteja.” 

     

    ABORTO & ZIKA II

     

    E disse mais: “Menos qualidade de vida não significa menor direto a viver, ou menos dignidade humana.” Para ele, o combate ao mosquito Aedes aegypt,deve se dar “mobilizando a população, contando com as igrejas, mas sobretudo com o empenho do poder público”. E concluiu: “O que está em jogo é o combate ao vírus zika, que passa por medidas preventivas, por campanhas educativas. E não faz sentido se propor aborto como resposta, para essa problemática.”

     

    É GUERRA !

     

    De tão danado (e perigoso) que é o pequeno mosquito Aedes aegypt, ele conseguir tirar da caserna as Forças Armadas brasileiras. Neste sábado (13), Dia Nacional de Mobilização para o combate ao mosquito um efetivo de 220 mil militares deve fazer uma verdadeira faxina em cerca três milhões de residências em 356 municípios. Desse municípios selecionados para a ação, estão as 115 cidades em que o Ministério da  Saúde detectou casos de dengue e outras febres provocadas pelo mosquito acima de 100 casos para cada 100 mil habitantes, entre os meses de novembro e dezembro de 2015.

     

    MARANHÃO NA BATALHA

     

    Mesmo sendo o único dos 09 estados nordestinos que não aparecem na lista entre das 10 unidades federativas do Brasil com maior incidência de casos de microcefalia, o Maranhão é um dos que está travando, neste sábado (13) “Guerra contra o mosquito”. O governado Flávio Dino esteve em Brasília na quinta-feira (11), após o Carnaval, Visitou 04 ministérios. Mas foi no da Saúde e da Defesa onde ele demorou mais. O ministro-chefe da Casa Civil, Jacques Wagner, é o representante do governo Dilma na batalha maranhense.

     

    “DOAÇÕES DEMONIZADAS” (I)

     

    O vice-presidente Michel Temer disse em um trecho da sua defesa apresentada ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), na tarde de quarta-feira (10), sobre o pedido do PSDB para cassar a chapa que venceu as eleições de 2014, que não se pode "demonizar" doações legais. Os advogados afirmam que há "tentativa de se trazer a Operação Lava Jato" para dentro da Corte eleitoral. E até ironizam o PSDB, ao lembrar que a coligação oposicionista recebeu R$ 40 milhões de empresas investigadas pela operação.

     

    “DOAÇÕES DEMONIZADAS” (II)

     

    “Ocorre que quarenta milhões de reais verteram dos cofres de construtoras investigadas na “Lava Jato” para a campanha dos autores (coligação do PSDB). Número, aliás, capaz de desfazer a premissa invocada para insinuar uma doação ilegal. [...] Eis aqui, como dito desde o início, possivelmente, o ponto que mereça mais atenção na representação. E não por sua relevância jurídica, mas sim pela exposição midiática em torno do tema. Tem -se, na verdade, uma tentativa de trazer a Operação “Lava Jato” para dentro do TSE. Dessa forma, com o devido respeito às manifestações diversas, não se pode demonizar as doações (legais) de empresas , mesmo que integrantes de grupo econômico que preste serviço ao poder público”, diz um trecho da defesa de Temer.

     

    TEMER E PSDB

     

    Os quatro pontos principais da ação do PSDB contra a coligação Dilma-Temer são: abuso de poder econômico, político, fraude e uso indevido dos meios de comunicação social. O partido pede que no lugar da chapa PT-PMDB Aécio Neves seja diplomado como presidente. A defesa de Temer também classificou a ação do PSDB de um "sem-número de ilações", decorrentes da "derrota eleitoral", o que demostra, “mero inconformismo”.

     

    PSDB E TEMER

     

    Em nota divulgada na quinta-feira (11), em que se manifestou sobre a defesa de Temer, o PSDB afirma que a ação movida no TSE se baseia em "fatos concretos que evidenciam a prática de abuso de poder político e econômico por parte do PT na eleição Presidencial de 2014".  Um dos argumentos do PSDB na ação é a delação feita por Ricardo Pessoa, da UTC, que disse ter sido pressionado a doar para a campanha de Dilma, e que só assim manteria contratos e obras com a Petrobras.

     

    Mangueira do Nordeste

     

    Foi preciso buscar inspiração na Bahia, na vida e obra de uma grande cantora da MPB, Maria Bethânia, para a Mangueira voltar a conquistar um título, após 13 anos de jejum. O último título, foi justamente exaltando o Nordeste brasileiro.

     

    MPB versus Sertanejo

     

    A música sertaneja pode estar “bombando” no País. Mas perdeu de feio para a Música Popular Brasileira (MPB) na passarela do samba. A Imperatriz trouxe no seu enredo “É o Amor”, homenagem merecida a Zezé de Camargo & Luciano (com grande nomes sertanejos desfilando). Logo em seguida entrou a Mangueira com Maria Bethânia...e levou o título. Minha Portela (em 4º) mais uma vez ficou a ver “um Rio que passou em minha vida”...