• Cadastre-se
  • Equipe
  • Contato Brasil, 21 de agosto de 2019 16:59:50
Magno Martins
  • 17/05/2019 12h31

    Filho expõe Bolsonaro

    Ele fala do desgaste do ministro da Casa Civil, também

    Senador Flávio Bolsonaro dá trabalho ao Presidente(Foto: Política Real)

    O presidente Bolsonaro não anda nervoso e agredindo jornalistas apenas por causa das reações nas ruas aos cortes de 30% nas verbas destinadas às universidades federais. Seu inferno astral tem nascedouro mais complexo, é familiar, está dentro de casa: a quebra dos sigilos fiscal e bancário do seu filho Flávio, senador da República, autorizado pela Justiça.

    Relatório do Ministério Público do Rio (MPRJ) aponta indícios de que Flávio Bolsonaro comprou e vendeu imóveis para lavar dinheiro, no valor de R$ 9 milhões. O MP também aponta indícios de que houve um esquema criminoso organizado no gabinete do senador quando ele era deputado estadual no Rio. O negócio é mais cabeludo do que se possa imaginar.

    Uma investigação do Ministério Público do Rio aponta indícios de que um esquema no gabinete do então deputado estadual tinha clara divisão de tarefas para desviar recursos públicos. Promotores afirmam ainda que o ex-motorista Fabrício Queiroz tentou assumir a responsabilidade sozinho “para desviar o foco”. Flávio tira o sono do pai porque está sendo investigado por peculato, apropriação de bens alheios e lavagem de dinheiro.

    Plano para o NE – Em entrevista ao Frente a Frente de ontem, o senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE) disse que a visita do presidente Jair Bolsonaro a Pernambuco, no próximo dia 24, não se restringirá a uma agenda com o governador Paulo Câmara. Segundo ele, todos os governadores do Nordeste estarão no Recife para discutir um plano de desenvolvimento regional.

    Ignorou a Câmara – Sobre a polêmica do veto do prefeito de São Lourenço, Bruno Pereira (PTB), a uma clínica com o nome do ex-prefeito Ettore Labanca, a verdade é que não poderia colocar o nome do Josué Pereira, seu avô, porque quem define denominação de prédios, logradouros públicos e ruas é a Câmara. Bruno passou por cima do Legislativo.

    Boicote – A prefeita de Caruaru, Raquel Lyra (PSDB), não vai dar o ar da sua graça hoje na programação que o governador Paulo Câmara cumpre na cidade. Mas estarão por lá os deputados José Queiroz (PDT) e Tony Gel (MDB), que já foram desafetos, mas podem se unir num mesmo palanque em 2020 para enfrentar a reeleição de Raquel.

    Raquel Lyra

    Susto na Câmara – Ex-candidato a prefeito de Gravatá, Junior Darita (PTN), 50 anos, cumpria agenda em Brasília na última quarta-feira quando passou mal na Câmara dos Deputados e foi atendido no serviço médico da Casa com sintomas de infarto. Foi levado imediatamente para uma urgência hospitalar no Lago Sul e se submeteu a uma angioplastia e um cateterismo.

    Candidato – O deputado Fernando Rodolfo (PR) transferiu seu domicilio eleitoral de Garanhuns para Caruaru de olho na Prefeitura em 2020. Ali, teve 28 mil votos e quer se apresentar no pleito municipal como o candidato de Bolsonaro, hoje, um péssimo cabo eleitoral.

    Desgastado – O ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, caiu em desgraça no Centrão, movimento conservador da Câmara dos Deputados. A turma que não brinca em serviço descobriu que ele é contra a criação de mais dois ministérios pela MP 870. Os líderes do grupo querem comer seu fígado. Já há quem diga que o ministro está na chamada corda bamba.