• Cadastre-se
  • Equipe
  • Contato Brasil, 18 de novembro de 2018 05:03:03
Política de Brasília para Brasília
  • 19/03/2018 17h51

    Rodrigo Rollemberg participa ativamente do Fórum Mundial da Água

    Segundo o governador de Brasília, Rodrigo Rollemberg, que participou do lançamento, essa é a primeira vez que se divulga o documento no Brasil

    Rollemberg entre autoridades mundiais da água em evento no Centro de Convenções

    Na tarde desta segunda-feira (19), foi lançada como programação do 8° Fórum Mundial da Água, no Centro de Convenções Ulysses Guimarães, o Relatório Mundial das Nações Unidas sobre Desenvolvimento dos Recursos Hídricos 2018.

    O documento destaca soluções baseadas na natureza como forma de melhorar a gestão hídrica.

    A chamada infraestrutura verde resume-se em preservar as funções dos ecossistemas, tanto natural como artificialmente, apostando em engenharia ambiental em vez de engenharia civil para melhorar a gestão dos recursos hídricos. As ações devem ser adotadas tanto no campo quanto na cidade.

    Na prática, ampliar a cobertura vegetal, a recomposição de solos e a proteção das bacias hidrográficas garante o aumento da quantidade e da qualidade da água e do acesso a todos esses recursos. Além disso, diminui os desastres naturais.

    Segundo o governador de Brasília, Rodrigo Rollemberg, que participou do lançamento, essa é a primeira vez que se divulga o documento no Brasil. “Precisamos de informações científicas para, cada vez mais, utilizando essa troca de experiências entre comunidades do mundo todo, podermos formular políticas públicas duradouras, democráticas e que possam servir às populações de todos os países.”

    Segundo a diretora-geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), Audrey Azoulay, nos próximos dias o relatório será divulgado em outros 30 países. “Esse documento tem o objetivo de auxiliar nos caminhos em que queremos andar e em investir nas estruturas corretas”, disse. “Todos nós sabemos dos benefícios das soluções baseadas na natureza, mas não investimos nelas.”

    Audrey ressaltou que, se nada for feito, em 2050, cerca de 5 bilhões de pessoas viverão em áreas com baixo acesso à água.

    O relatório reconhece a água como parte integrante de um processo natural, que envolve evaporação, precipitação e absorção pelo solo.

    Publicado anualmente, ele tem o objetivo de abranger o estado dos recursos de água potável no mundo e propor ações sustentáveis para garantir a boa gestão.

    No setor agrícola, estima-se que a produção possa aumentar em cerca de 20% em todo o mundo se forem utilizadas práticas mais verdes de gestão da água.

    Estudo citado pelo relatório avaliou projetos de desenvolvimento agrícola em 57 países de baixa renda e descobriu que o uso mais eficiente da água, combinado com a redução do uso de pesticidas e com melhorias na cobertura do solo, aumentou o rendimento das colheitas em 79%.

    Apesar de o setor da agricultura ser o maior consumidor de água, práticas verdes na cidade também são reconhecidas e variam desde paredes verdes e jardins suspensos a medidas para coletar e reciclar água. Na China, por exemplo, o projeto Cidade Esponja melhora a disponibilidade do recurso em aglomerados urbanos.

    Serão 16 regiões-pilotos no país asiático com o objetivo de reciclar 70% da água da chuva por meio de uma maior permeação do solo por retenção e armazenamento e pela purificação da água e restauração de zonas úmidas adjacentes.

    ( da redação com informações de assessorias)