• Cadastre-se
  • Equipe
  • Contato Brasil, 17 de outubro de 2018 02:57:56
Política de Brasília para Brasília
  • 05/03/2018 18h45

    BRB anuncia maior lucro da história

    O banco vem avançando desde 2016

    Rodrigo Rollemberg ao lado de Vasco Cunha,presidente do BRB( Foto: Ag. Brasília)

    Nesta segunda-feira, 05, a onda de boas notícias econômicas que estão marcando o Governo Federal chegaram a Brasília.

    O balanço anual do BRB, o Banco de Brasilia, foi divulgado no Centro Internacional de Convenções do Brasil, no Setor de Clubes Sul, aqui na Capital Federal. Este foi o maior lucro da história da instituição, R$ 260 milhões

    O presidente do BRB, Vasco Cunha Gonçalves, destacou a participação dos funcionários na conquista do resultado. “Mérito de um trabalho incansável”, pontuou.

    Ele anunciou, durante o evento, a autorização para o depósito da PLR (participação nos lucros) para os servidores.

    Vinte funcionários do banco que se destacaram em 2017 foram homenageados no evento, em agradecimento pelo resultado alcançado.

    O governador de Brasília, Rodrigo Rollemberg, relembrou a nomeação de um servidor do banco para a Presidência, ainda no início da atual gestão, como uma escolha acertada.

    “Fruto de uma estratégia correta, com uma direção estritamente técnica para servir à população de Brasília da melhor forma possível”, avaliou.

    Ele desejou ainda que o BRB sirva de exemplo para outras empresas públicas. “Se formos comparar com 2014, estamos com o dobro do resultado. É uma administração extremamente eficiente.”

    Em 2016, o lucro do banco – que tem mais de 750 mil clientes – foi de R$ 200,5 milhões.

    O Banco de Brasília é o que possui o maior número de agências no Distrito Federal. Ele é ainda o nono em crédito imobiliário no País e o 12º em depósitos de poupança.

    O resultado operacional do BRB cresceu 42,5%. Passou de R$ 350 milhões em 2016 para R$ 500 milhões no ano passado. Os ativos da instituição cresceram 4,1% no período, e o patrimônio líquido, 8,2%.

    A maior parte do banco público pertence ao governo de Brasília, que detém 80,33%. O controle acionário minoritário, de 16,52%  – desde dezembro passado – é do Instituto de Previdência dos Servidores do Distrito Federal (Iprev).

    A transferência de ações, e também de bens, foi necessária para recompor o Iprev, depois que o Executivo local usou o superávit do fundo previdenciário capitalizado para honrar o pagamento de aposentadorias.

    Além de ser o banco pagador dos salários dos funcionários do governo de Brasília, o BRB é recolhedor dos tributos locais, como as multas do Departamento de Trânsito do DF (Detran-DF), o IPTU e o IPVA.

    Atua ainda para impulsionar o esporte, a cultura, a educação, a arte e o empreendedorismo, por meio de apoio a projetos.

    ( da redação com informações de assessoria)