• Cadastre-se
  • Equipe
  • Contato Brasil, 22 de novembro de 2017 14:45:47
Política de Brasília para Brasília
  • 13/10/2017 17h10

    Alexandre Navarro evitou falar de expurgo no PSB; ele avalia que a Esquerda só voltará ao poder no Brasil unida ao Centro

    Um dos pensadores do PSB é um dos interlocutores do presidenciável Joaquim Barbosa

    Alexandre Navarro diz que a Esquerda só voltará ao poder associada ao Centro( Foto: Genésio Araújo Jr)

    Todas as atenções neste final de semana, e começo da segunda quinzena de outubro, estão voltadas para mais um capítulo da crise de um dos mais importantes partidos do campo intitulado esquerda, ou progressista para outros, do Brasil. O Partido Socialista Brasileiro(PSB) decidiu realizar o processo de expulsão de alguns deputados federais que estão tomando caminhos contrários ao que definiu a chamada “cúpula socialista”. O presidente do Conselho de Ética do PSB Nacional, Alexandre Navarro Garcia, conversou com o blog nessa sexta-feira, 13 de outubro.   Destacamos os melhores momentos.

    Conselho de Ética

    “ Eu sou o Presidente do Conselho de Ética(doPSB Nacional) temos mais dois membros. Não vou tratar desse assunto. Temos um relator. Hoje, logo depois daqui, vou para o Partido. Vamos apresentar uma decisão para o Partido, que vai se reunir na segunda-feira. Eu não gosto deste negócio de expulsão. Parece expurgo, coisa de militares”

    Ele reconheceu, a partir de colocações feitas pelo blog, que essa situação, de enfretamento entre quadros partidários tradicionais e novos filiados, se criou a partir do processo de expansão que o PSB viveu nos melhores momentos do comando de Eduardo Campos.   O falecido governador de Perambuco, ex-ministro e presidenciável sabia que para virar presidente da República necessitava atrair quadros de Centro, como fez o Partido dos Trabalhadores ao montar a dobradinha trabalho e capital que se deu com Lula-José Alencar   

    Desenvolvimento

    “Não é possível que São Paulo continue carregando o Brasil”, disse Navarro, que se transformou num especialista em desenvolvimento regional nos últimos anos, especialmente face suas passagens no Ministério de Ciência e Tecnologia e no Ministério de Integração Nacional. Ele era um dos homens de confiança de Eduardo Campos, que o colocou em postos chaves por onde andou ou teve influência. 

    Navarro defende que centros de poder deixem São Paulo, como setor financeiro e ciência e tecnologia. Ele defende que isso só se dará com uma Reforma Tributária que enfrente a renda e o patrimônio. Ele salientou que a arrecadação nacional atinge fortemente as camadas de renda assalariada, enquanto as camadas com mais renda pagam bem menos tributos. 

    Joaquim Barbosa e Aldo Rebelo

    “Eu sou suspeito de falar de Aldo Rebelo. Ele é meu amigo, mas é inegável que é um dos homens que entende o Brasil”, disse.

    Ele reconhece que a chegada de Aldo Rebelo ao PSB é importante, pois coloca a união de São Paulo e  Nordeste onde a política é decisiva.  “Ele conversa com todo mundo”, disse.  Navarro avalia que se o PSB caminhar para um Centro terá a influência de Rebelo.

    “Eu o vejo como um nome muito importante para o Brasil”, disse Navarro sobre Joaquim Barbosa, da qual se diz amigo há 30 anos.  Ele  avalia que o ex-presidente do Supremo Tribunal Federal(STF) poderá ser fundamental nas eleições presidenciais de 2018.  Navarro, brincou, que ele tem que melhorar no trato político, como tirar fotos com os muitos simpatizantes.  “ Ele não gosta de tirar fotos. Nem uma vez...uma bela mulher, simpatizante, num restaurante de Brasilia pediu para bater foto com ele e ele foi logo despistando”, disse rindo.

    Joaquim Barbosa, segundo Navarro, tem uma visão clara de Brasil, mas não tem conversação com nenhum partido político com vista as eleições de 2018. Até o momento.

    Esquerda de volta ao poder

    Alexandre Navarro tem uma visão muito clara sobre o futuro das esquerdas, ele entende que há vida além do protagonismo do PT.

    “ Precisamos unir a Esquerda ao Centro.”, disse.  Navarro entende que foi uma grande sacada de Lula se unir a José Alencar em 2002 e que as esquerdas sem PT precisam reproduzir o que eles montaram, mas enfrentar questões que o PT não enfrentou.  É necessário evitar que os ricos fiquem mais ricos e os pobres fiquem mais dependentes de políticas públicas.

    Brasilia

    “ Acho que o PDT errou, terrivelmente”, disse Navarro, não querendo comentar muito sobre a decisão do PDT de Brasilia em romper com o Governo Rollemberg.  Ele foi na disjuntiva e lembrou que em março 2018 ficaria melhor para uma tomada de posição, pois quem garante que o PSB Nacional não pode acabar fechando com o PDT, que apresenta a candidatura de Ciro Gomes à Presidência da República. 

    “Com isso, eles poderão ficar no final da fila de um acordo maior”, disse Navarro, ,vendo que a questão nacional será fundamental para os acertos locais.

    Sobre a possibilidade das oposições, agora, com o PDT, se unirem ao nome do ex-deputado Jofran Frejat, ele só disse que “é um homem preparado, um homem de bem”, afirmou, mas avaliou que é um homem de um outro tempo. Ele destacou que Brasilia vive um momento complexo, onde não é mais possível ver o Fundo Constitucional como algo redentor, pois mesmo com esses recursos Brasilia não tem quase nada para fazer investimento público, coisa que tinha de sobra no passado.

    Navarro avalia que para tocar Brasília não dá mais para contar só com as experiências do passado, o novo é o grande desafio.

    Perfil

    Administrador de Empresas formado pela Universidade de Brasília (UnB) e Especialista em Gestão Pública pela Escola Nacional de Administração Pública (ENAP). Foi secretário de Ciência e Tecnologia para Inclusão Social - MCTI, Secretário-Executivo do Ministério da Integração Nacional - MI, presidente e membro de diversos Conselhos de Administração de órgãos e instituições públicas de relevância nacional. Atualmente, é o único representante de língua portuguesa do membro do Comitê de Especialistas em Administração Pública das Nações Unidas – CEPA (mandato de 4 anos, 2014-2017). Nos últimos anos foi Presidente da Terracap e hoje é diretor do BRB Serviços.

    ( da redação com informações de Genésio Araújo Jr)