• Cadastre-se
  • Equipe
  • Contato Brasil, 18 de outubro de 2017 09:00:43
publicidade


Misto Brasília - Por Gilmar Correa
  • 31/08/2017 10h35

    A sua Primavera

    Nem Carlos Drummond de Andrade escapou da renovação de setembro e colheu suas flores da Primavera

    A Primavera e o flamboyant florido na capital dos brasileiros/Arquivo/reprodução

    No dia 22 de setembro começa a Primavera, a estação que muitos apontam como a mais bonita do ano.  É o período de flores. É uma época em que ocorre o florescimento de várias espécies de plantas.

    O florescimento é o início da época de reprodução, um tempo de nascimento, o primo vero. Esta separação de estações começou a ser uma convenção a partir do século 17. A um dia do início de setembro, é natural que nossas esperanças se renovem.

    Virar o calendário do mês sempre estimula a imaginação. Se por um lado alimentamos nossos sentimentos, por outro a realidade bate fundo. Estamos a quatro meses do fim do ano e as notícias não são boas.

    Escorregamos nessa ladeira do pessimismo ao passear pelos sites de notícia e chegamos à conclusão que o ano passa rápido, mas as notícias ruins são cada vez mais insistentes. A violência ficou pior, a saúde é um drama diário e nossos políticos não tomam jeito.

    Para deixar a gente mais triste, o Judiciário é o Poder onde se paga os salários mais absurdos e a vergonha ainda está longe de ruborizar a maioria dos agentes de Estado.

    Mas falemos de Primavera e nos ancoramos nos textos de Angélica Favreto. A estação indica que é hora de acordar! Durante todo o inverno, os animais hibernantes como morcegos, ouriços e esquilos entram em um sono profundo para poupar energia. Por isso, quando a Primavera chega é como se um despertador avisasse para esses animaizinhos que é tempo de sair de casa.

    Nem Carlos Drummond de Andrade escapou dessa renovação de setembro. Aos 75 anos encontrou energia renovada para lançar “Discurso de primavera e algumas sombras”.

    E como foi observado por Livr Andante, a velhice da mão não lhe impedia a renovação da pena. E assim ele deixava passar uma oportunidade (que podia ser sua última) de se entregar ao clássico lugar-comum pelo qual o versejador idoso lamentava estar numa reta final, na estação em que a natureza recomeçaria mais um ciclo.

    Então, aproveite setembro e faça também a sua Primavera.