• Cadastre-se
  • Equipe
  • Contato Brasil, 20 de outubro de 2018 10:13:19
Humberto Azevedo
  • 23/08/2018 19h05

    Sobre o medo e o ódio

    Artigo do ex-ministro da Fazenda no governo Sarney e ex-ministro dos governos FHC que tenta explicar o medo do "Deus Mercado" a Lula e ao PT que, segundo ele, é na verdade, ódio

    O dólar continua a subir, hoje bateu R$ 4,12. Todos estão de acordo, é o dólar da crise política brasileira, da insegurança em relação às eleições presidenciais que estãoe próximas. Mas para quanto irá o dólar? Qual a profundidade dessa crise? Pode ser comparada com a crise de 2002, quando o medo da eleição de Lula levou o dólar, a preços de hoje, a R$7,00? Há muita gente pensando assim, mas estão enganados. Não há medo de Lula, ou de seu vice, Fernando Haddad. Já está claro que um deles é o mais provável presidente da República. Mas não há por que temê-los – não há por que pensar que agirão de forma irresponsável tanto no plano fiscal quanto no plano cambial. Já sabem que deficits fiscais são muito perigosos, e que deficits em conta-corrente significam taxa de câmbio apreciada e desindustrialização.

    Mas se o mercado financeiro não tem medo de Lula, como explicar a violência do comportamento das elites econômicas e políticas brasileiras em relação a Lula e ao PT? E o comportamento de um setor oportunista do poder judiciário que resolveu transformar Lula em um criminoso e o julgar sem qualquer prova convincente.

    A explicação está, a meu ver, não no medo, mas no ódio. O mercado financeiro não tem medo, mas essas elites têm ódio de Lula e do PT. Ódio que apareceu pela primeira vez na história política do Brasil em 2013. Ódio sem base, irracional como todo ódio. Ódio de uma classe média que viu os pobres e os ricos prosperarem, enquanto ela era esquecida, e encontrou “um culpado” para isso.

    Se pensarmos bem, verificaremos que o aumento havido nas intenções de voto em Lula em todas as pesquisas não é apenas resultado se os pobres terem sido bem tratados no seu governo. Ou do inegável carisma de Lula. É também uma reação popular contra o ódio e a injustiça._ _Precisamos, com urgência, pacificar o Brasil, e levá-lo de novo a construir seu desenvolvimento. Essa será a primeira tarefa do presidente que será eleito em outubro próximo. Lula sempre foi um pacificador. Vamos esperar.

    (*) Artigo publicado originalmente na página pessoal de Luiz Carlos Bresser-Pereira no facebook. Bresser-Pereira é economista, cientista político, cientista social, administrador de empresas, advogado, além de professor da Fundação Getúlio Vargas, em São Paulo, desde 1959, e edita a Revista de Economia Política desde 1981. Foi ministro da Fazenda no governo Sarney em 1987, ministro da Administração Federal e Reforma do Estado (1995-1998) e da Ciência e Tecnologia (1999) nos governos de Fernando Henrique Cardoso.