• Cadastre-se
  • Equipe
  • Contato Brasil, 19 de agosto de 2018 18:10:14
Humberto Azevedo
  • 09/08/2018 23h09

    Crise, uma feliz ou infeliz coincidência e a aparente concorrente fora do jogo

    No dia em que o principal acontecimento político ocorre antes, durante e depois do debate presidencial televisivo na terra dos bandeirantes, o destaque foi a extinção do canal que ameaçava o império das organizações Globo no ludopédio

    Às vésperas de promover o show e de talvez iniciar a troca de bastão, a peça publicitária acima não passa agora de história

    Graças às consequências de uma grave e aguda crise econômica que estancou a economia brasileira, fomentada por agentes internos e externos, que ameaça o País a voltar aos patamares da época anterior ao Plano Real, e também por uma feliz – ou infeliz – coincidência que tornou a então emergente concorrente do maior império de comunicação tupiniquim, sócia nos dividendos, a ameaça que contava os dias para enfim oferecer ao País uma alternativa aos gritos estridentes e caducos do locutor-mor que tanto inferniza a vida dos brasileiros nas últimas quatro décadas naquilo que é a principal paixão nacional, se esvai atestando que “tudo que é sólido desmancha no ar”.

    Desta forma, tudo continuará como dantes no quartel de Abrantes. A disputa virulenta que ceifou o emprego de mais de 17 milhões brasileiros, que pôs fim ao voo da galinha que a nação sonhara ter com um novo ciclo do “milagre econômico”, teve nesta quinta-feira (09 de agosto) mais um capítulo para entendermos o quebra-cabeça que monta e desmonta os nacos de poder. Foi de maneira completamente estupefata que li a notícia de que o canal Esporte Interativo chegara ao fim, com mais de 250 profissionais demitidos.

    O referido canal era uma ameaça real ao império erguido pelo jornalista, já falecido, Roberto Marinho. Pela primeira vez, os negócios do ludopédio que são controlados pela TV Globo desde a década 80 poderia trocar de mãos. Uma aliança de um empresário carioca com o conglomerado norteamericano Turner parecia investir pesado em conteúdo para fazer frente ao domínio global. Tudo parecia lindo, até que nesta quinta-feira os dirigentes estrangeiros do referido grupo – comprado recentemente pela gigante AT&T – que por sua vez é dona da Directv que controla administrativamente a maior operadora em atuação no país, a Sky, resolveu por um fim a esta história com a justificativa da crise e dos possíveis problemas com o Conselho Administrativo de Defesa do Consumidor (CADE).

    De uma tacada só, o canal encerrado por forças superiores que tem contrato firmado com 16 clubes para exibição do campeonato nacional entre 2019 a 2024 coloca um grande ponto de interrogação: este contrato será respeitado? A afirmação dos representantes dos ianques que administram a filial brasileira é que sim. Garantem eles que as exibições futebolísticas serão transferidas para outros canais do grupo que exibem tradicionalmente filmes.

    Mas uma coisa é certa, aquela expectativa que tínhamos de ver finalmente uma concorrente ameaçando os negócios da TV Globo cai por terra. A reação dos dirigentes que tem contrato com a Turner foi de completa surpresa. Todos os 16 clubes que tem contrato a iniciar com a Turner colocaram seus departamentos jurídicos para analisar a situação. São os casos de Palmeiras, Santos, Ponte Preta, Internacional, Atlético-PR, Coritiba, Paraná, Bahia, Santa Cruz, Ceará, Fortaleza, Criciúma, Joinville, Figueirense, Paysandu e Sampaio Corrêa.

     

    NOTA & POSICIONAMENTO OFICIAL DO ESPORTE INTERATIVO
    Nós do Esporte Interativo/Turner, agora uma afiliada AT&T, anunciamos hoje que estamos migrando a nossa programação de TV com o futebol nacional e internacional para as marcas TNT e Space. A Turner continua comprometida com a Liga dos Campeões da UEFA pelas próximas três temporadas, iniciando as transmissões a partir deste mês. Além disso, a partir do ano que vem, começaremos a transmitir a série A do Campeonato Brasileiro até 2024. Os canais do Esporte Interativo na TV serão desativados nos próximos 40 dias e deixaremos de transmitir competições que nos orgulhamos muito durante os últimos anos. Entretanto, as nossas atividades no mundo digital seguem firmes, e continuaremos levando a emoção que o Brasil merece pra vocês através do nosso Facebook, Instagram, Youtube, Twitter, EI Plus e qualquer outra plataforma digital em que os apaixonados por esporte estejam presentes. Não dá pra negar que estamos tristes com o fim dos canais Esporte Interativo na TV, mas ao mesmo tempo estamos ansiosos e animados com o futuro, em que estaremos todos os dias na TNT e Space, com as mesmas narrações, comentários e brincadeiras que nos acostumamos a ouvir nos últimos 11 anos. E claro, seguiremos juntos, diariamente, com a nossa família de mais de 20 milhões de fãs nas redes sociais. Muito obrigado pelo apoio de sempre. Contamos com vocês nessa nova caminhada. Tamo junto!

     

    Sugestão de leitura

    Economia, sociedade & TV

    Um jogo rápido para entender o "fim" do Esporte Interativo;

     

    Economia, sociedade & TV

    Fim do Esporte Interativo surpreende clubes; Bahia quer romper contrato;

     

    Economia

    Velho filme que não sai de cena: FMI pretende que eleições em São Tomé e Príncipe não atrasem execução de reformas - Uma missão do Fundo Monetário Internacional (FMI) efetua uma “visita técnica” de uma semana a São Tomé para garantir que as eleições de 07 de outubro não desviem as atençõ;

     

    Eleições 2018

    As eleições e as comparações perigosas - Afinal, quem é o Trump brasileiro? Bolsonaro poderia ser equiparado a uma Marine Le Pen? Debaixo desse tipo de “comparação perigosa”, a que mesmo as esquerdas são convidadas, fica o ímpeto do desfoque de herança co;

     

    Eleições 2018

    Pau que dá em chico também dá em Francisco?: Condenação de Richa em segunda instância pode torná-lo inelegível? - Ex-governador sofreu derrota no segundo grau por ter se hospedado em hotel 5 estrelas em Paris com despesas pagas pelo estado;

     

    Eleições 2018

    O caminho mais seguro para derrotar Bolsonaro é óbvio, mas há quem prefira flertar com o apocalipse;

     

    Segurança Pública

    "O PCC, assim como outras facções, surgiu como efeito colateral de 'décadas de políticas truculentas e equivocadas de guerra ao crime'": Organização do PCC segue lógica de empresa, irmandade e igreja, diz dupla que estuda facção há 2 décadas;

     

    Segurança Pública

    Do twitter do colega jornalista Nivaldo Souza: Contrariando senso comum, o Fórum Brasileiro de Segurança Pública traz dado interessante: Disparou nº de mortos pela polícia. Foram 5.144 em 2017, média de 14 por dia e alta de 20% sobre 2016. Já o número de policiais mortos recuou 5%. Foram 367 em 2017: Mortes violentas avançam e batem novo recorde no país; polícia mata mais - 63.880 pessoas morreram de forma violenta no Brasil no ano passado;